PUBLICIDADE
Topo

Fábio Seixas

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Verstappen: uma pilha de nervos

Lewis Hamilton em ação no primeiro dia de treinos livres para o GP dos EUA - Mercedes
Lewis Hamilton em ação no primeiro dia de treinos livres para o GP dos EUA Imagem: Mercedes
Conteúdo exclusivo para assinantes
Fábio Seixas

Fábio Seixas é jornalista com mestrado em Administração Esportiva e passagens por veículos como Folha de S.Paulo, SporTV e TV Globo. Cobriu mais de 170 GPs de F-1, esteve em duas temporadas da Indy e chegou a pilotar um Benetton em Paul Ricard. Voltou para os boxes rebocado.

Colunista do UOL

22/10/2021 18h36

Eram pouco mais de 10 minutos do segundo treino livre em Austin quando Hamilton e Verstappen se estranharam na pista. O inglês mergulhou na última curva, obrigando o holandês a fazer uma tangência mais aberta.

"Idiota estúpido", gritou o holandês, oferecendo o dedo médio para o rival.

Não foi só. Cerca de 20 minutos depois, recém-calçado com pneus novos, Verstappen surpreendeu sua equipe e deu uma guinada para os boxes.

"Estou entrando. Foda-se", disse.

Ele reclamava de ter sido atrapalhado numa tentativa de volta rápida.

hamiltoneia - Transmissão F1 - Transmissão F1
Hamilton e Verstappen se estranham no 2º treino
Imagem: Transmissão F1

Acontece o tempo todo. Não justifica reação tão agressiva.

É este o ponto. As duas atitudes não foram consequências daqueles problemas pontuais, momentâneos. Foram resultados de algo muito mais preocupante.

O holandês está sentindo que terá um fim de semana difícil pela frente. Mas isso, de certa forma, já era esperado: em 8 GPs até hoje em Austin, foram 5 vitórias da Mercedes.

O principal problema é que, justamente na reta final do campeonato, ele começa a perceber que está perdendo o controle da situação. Está uma pilha de nervos.

Já se falou em motor, já se falou em suspensão... Fato é que a Mercedes virou o jogo e hoje tem o melhor carro da F-1.

O cronômetro está aí para provar. O mais rápido hoje, na abertura dos treinos para o GP dos EUA, foi Bottas.

Na primeira sessão do dia, o finlandês fez 1min34s874, 0s045 melhor do que Hamilton. Verstappen foi o terceiro, a 0s932, um abismo. Na sequência vieram Leclerc e Sainz.

À tarde, a turma se ocupou mais de simulações de corrida. Os tempos foram mais altos, e Pérez liderou: 1min34s946. Norris foi o segundo, a 0s257. Depois vieram Hamilton, Bottas e Ricciardo. O nervosinho do dia ficou só em oitavo, diferença de 0s878 para o companheiro.

Se algo traz um alento para a Red Bull são as trocas de motores de dois pilotos que poderiam atrapalhar seus planos. Bottas trocou o motor a combustão e perderá cinco posições no grid. Russell trocou toda a unidade de potência e sairá do fim do pelotão.

(Vettel também largará do fundão, mas em situações normais não deveria interferir na vida de Verstappen e Pérez.)

Entre o fim do segundo treino livre e o início da próxima sessão, no sábado, há um intervalo de 21 horas.

Verstappen vai esfriar a cabeça? Ou entrará em parafuso?

É importante prestar atenção no temperamento do holandês.

Numa categoria tão tecnológica, os nervos de um garoto de 24 anos podem ser a chave do Mundial.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL