PUBLICIDADE
Topo

Fábio Seixas

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Há 35 anos, Senna e Mansell faziam isso...

Chegada do GP da Espanha de 1986, com apenas 0s014 separando o vencedor, Ayrton Senna, de Nigel Mansell - Reprodução
Chegada do GP da Espanha de 1986, com apenas 0s014 separando o vencedor, Ayrton Senna, de Nigel Mansell Imagem: Reprodução
Fábio Seixas

Fábio Seixas é jornalista com mestrado em Administração Esportiva e passagens por veículos como Folha de S.Paulo, SporTV e TV Globo. Cobriu mais de 170 GPs de F-1, esteve em duas temporadas da Indy e chegou a pilotar um Benetton em Paul Ricard. Voltou para os boxes rebocado.

Colunista do UOL

13/04/2021 04h00

"E o tempo passa, torcida brasileira", diria a lenda Fiori Giglioti.

Uma das chegadas mais apertadas da história da F-1 completa 35 anos nesta terça-feira, 13 de abril. Foi no GP da Espanha de 1986 e até hoje provoca suspiros de quem viu ao vivo _o blogueiro é um exemplo.

Estreia do circuito de Jerez de la Frontera, recém-inaugurado. Ao volante da Lotus com a mítica pintura preta e dourada, Senna largou na pole pela nona vez na carreira. Bons tempos aqueles: foi dobradinha brasileira no grid, com Piquet em segundo. Seu companheiro na Williams, Mansell, saiu em terceiro, seguido por Prost, da McLaren.

Senna manteve a ponta na largada e por lá ficou até a 40ª volta, quando foi superado por Mansell, que sete voltas antes já havia passado Piquet.

O inglês estava endiabrado na pista, mas seu conhecido azar deu as caras: ele apanhou um pequeno pedaço de metal com um dos pneus e precisou fazer um pit stop.

De pneus novos, retornou à pista babando dentro do capacete e foi ao encalço de Senna e Prost. Faltavam 8 voltas e ele tinha 20 segundos de desvantagem para o brasileiro. Impossível? Não para um piloto com a fome de Mansell e pneus muito melhores que os da concorrência.

O inglês logo deixou Prost para trás e se jogou na disputa pela liderança. Alcançou Senna na última volta e foi para o tudo ou nada. O resultado está no vídeo abaixo: Senna venceu por apenas 14 milésimos de segundo.

É a terceira chegada mais apertada da história, mas a segunda não deveria contar: foi a marmelada entre Schumacher e Barrichello no GP dos EUA de 2002, com vitória do brasileiro por 0s011. Foi o agradecimento do alemão pelo que ocorreu na Áustria, no início daquela temporada. O recorde histórico é do GP da Itália de 1971, em Monza: 10 milésimos de segundo entre Gethin, da BRM, e Peterson, da March.

"Nunca trabalhei tão duro na minha carreira. Acho que deveriam dar 7,5 pontos para cada um", disse Mansell após aquela prova de 86, numa época em que o vencedor ganhava 9 pontos e o segundo colocado levava 6.

Não deu, Leão. Mas, se serve de consolo, até hoje agradecemos o show.