PUBLICIDADE
Topo

Diogo Silva

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Diogo: O esporte agradece profundamente a Elza Soares, a voz do milênio

Elza Soares no palco, em foto publicada em 2021 - Reprodução/Instagram/victorvieiraph
Elza Soares no palco, em foto publicada em 2021 Imagem: Reprodução/Instagram/victorvieiraph
Conteúdo exclusivo para assinantes
Diogo Silva

Diogo Silva foi campeão mundial universitário, medalhista de ouro dos Jogos Pan-Americanos e participou dos Jogos Olímpicos de Atenas-2004 e Londres-2012 no taekwondo. Hoje, faz parte do grupo de rap Senzala Hi-Tech.

20/01/2022 22h53

Recebemos a notícia que a cantora Elza Soares, 91, considerada a voz do milênio, fez sua passagem da terra, falecendo de forma natural neste dia 20 de fevereiro, mesmo dia que Mané Garrincha faleceu há 39 anos.

Com 91 anos e 33 discos gravados, Elza sambou na cara da sociedade inúmeras vezes e teve, nos últimos cinco anos, a consagração da sua carreira e a aceitação plena de quem a admira.

Da geração de 60, que escutou seu primeiro disco, "Se acaso você chegasse'', ao seu último disco de 2021, "Elza & João de Aquino", não há quem não a reconheça.

O relacionamento que Elza tinha com o esporte era emblemático. Além de ter sido a companheira de Mané Garrincha, um dos maiores jogadores do futebol brasileiro, Elza também protagonizou a abertura dos Jogos Pan Americanos de 2007.

elza - Reprodução/Twitter - Reprodução/Twitter
Elza Soares se apresentou nas cerimônias dos Jogos Pan-Americanos 2007 e dos Jogos Olímpicos 2016, no Rio
Imagem: Reprodução/Twitter

O torneio, que naquele momento era o maior evento esportivo realizado no Brasil, teve Elza Soares cantando o hino nacional na abertura.

Se eu chorei ao escutar o hino tocando em um pen drive, imaginem como eu estava vendo e ouvindo Elza com sua voz rouca como uma cantora de blues, cantando o hino nacional à capela, trazendo o Maracanã junto ao peito, como um coro de torcida organizada.

Lembro do público acompanhar verso por verso, estrofe por estrofe até o fim, eternizando um momento mágico.

Elza também fez uma aparição incrível durante os Jogos Olímpicos de 2016, no Brasil, no mesmo Maracanã, só que, dessa vez, ela trouxe a música "O Canto de Ossanha'', de Baden Powell.

Meu disco preferido da cantora é "Do Cóccix Até o Pescoço", que traz a música "A Carne", tema, em 2017, do documentário que contou com a participação da judoca campeã olímpica Rafaela Silva. Com uma nova roupagem Elza faz uma nova interpretação para a música ''A Carne'' composta por Seu Jorge, Marcelo Yuka e Ulisses.

No doc "Duas Mulheres, Duas Vidas, Uma luta", narrado por Elza, essa conta sua história de vida dentro da história da Rafaela Silva, mostrando a origem que ambas tiveram nas comunidades cariocas, o racismo que viveram e a volta por cima que elas deram acompanhadas por vitórias e conquistas.

O relacionamento que Elza tinha com o esporte era profundo e sua imagem foi um grande símbolo de luta, perseverança e vitória.

O esporte, assim como os atletas, agradecem profundamente a esse grande ícone da cultura afro-brasileira e que sua história seja contada pela eternidade.