PUBLICIDADE
Topo

Diego Garcia

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Defensoria faz nova tentativa para Fla pagar pensão às famílias do Ninho

Diego Garcia

Repórter desde 2010, passou por Folha de S. Paulo, ESPN, Terra e Placar. Ganhou dois prêmios Aceesp (2014 e 2016) e foi indicado aos prêmios Comunique-se (2019), República (2017, 2018 e 2021), Folha (2018 e 2019) e Fenacor (2020). Cobriu Copa do Mundo, Olimpíadas, Mundial de Clubes e outros grandes eventos. Contato: garciadiegosilva@gmail.com

Colunista do UOL

07/05/2021 04h00

O pedido do retorno da pensão de R$ 10 mil paga pelo Flamengo às famílias das vítimas do incêndio no Ninho do Urubu, feito pela Defensoria Pública do Rio de Janeiro ao Tribunal de Justiça do Estado em janeiro, completou 100 dias sem resposta. Por isso, o órgão formulou nova petição ao TJRJ, solicitando a volta dos pagamentos.

A defensoria reclama que o pedido apresentado tem natureza alimentar e caráter de urgência, e mesmo assim foi ignorado pelo Poder Judiciário do Rio. Com a nova cobrança, a subcoordenadora Beatriz Cunha acredita que o pedido deve ser acolhido. Até a noite desta quinta (6), a solicitação ainda não havia sido analisada pelo tribunal.

A defensora lembrou que existem jurisprudências no STF que defendem a legitimidade do órgão na proposição de uma ação civil pública. "Essa observância é obrigatória por todos os tribunais do país", afirmou a defensora. Em dezembro, o TJ-RJ acatou um recurso do Flamengo extinguindo o procedimento.

O incêndio no CT do Flamengo aconteceu em fevereiro de 2019 e deixou 10 jovens mortos, além de três feridos.

Até aqui, o clube fez 11 acordos, com as famílias de Arthur Vinicius, Pablo Henrique, Samuel, Athila Paixão, Bernardo Piseta, Gedson Santos, o Gedinho, Jorge Eduardo, Vitor Isaias, e com o pai de Rykelmo.

Ainda não aceitaram as propostas do clube os familiares de Christian Esmério. A mãe de Rykelmo, que acionou a Justiça, aguarda o andamento do processo.

Em janeiro, o Ministério Público do Rio de Janeiro denunciou 11 pessoas pelo crime de incêndio culposo qualificado pelos resultados de morte e lesão grave, todas elas apontadas como responsáveis pela tragédia.