PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Campo Livre


Fogaça: A festa do GreNal na final da Copinha

Grêmio elimina Oeste na semifinal da Copa São Paulo - Leonardo Benhossi/Divulgação/FPF
Grêmio elimina Oeste na semifinal da Copa São Paulo Imagem: Leonardo Benhossi/Divulgação/FPF

23/01/2020 12h44

Quando em um planalto às margens do rio Tietê, o cacique Tibiriçá, líder de uma tribo Tupiniquim, entrou em acordo com os líderes jesuítas Manuel da Nóbrega e José de Anchieta para que esses realizassem uma missa e convertessem a sua tribo ao catolicismo, ele não fazia a menor ideia do que aconteceria naquele espaço 466 anos depois.

O ritual de catequese realizado por um português e um espanhol no dia 25 de janeiro de 1554 é considerado o ato fundador da cidade de São Paulo. Naquele exato momento, muitas léguas ao sul, índios Carijós dominavam soberanos a faixa litorânea de um Brasil desconhecido e sem limites.

Pois algumas décadas depois da missa de São Paulo (1617), escravagistas portugueses enviaram dois missionários ao Sul para trazerem "índios trabalhadores" para as fazendas de Santos, São Vicente e São Paulo. Os padres João de Almeida e João Fernandes chegaram até as margens do rio Gravataí com sua expedição.

Em seus relatos, os missionários contam que não conseguiram atravessar aquele "rio grande do sul", e voltaram para São Paulo com 150 escravos Carijós, os quais muitos morreram no caminho.

Porto Alegre só foi existir muito tempo depois (1772), fruto de uma expedição de açorianos e outros grupos étnicos. O futebol, esporte que tanto nos apaixona, é uma invenção muito mais recente do que a fundação de São Paulo ou a excursão dos missionários escravagistas.

E como em um fluxo contrário ao decorrer da história do Brasil, jovens atletas representantes de clubes de futebol de Porto Alegre durante muitos anos tentaram dominar uma competição esportiva criada para - justamente - celebrar o aniversário daquela missa fundadora de São Paulo. Em vão.

Somente em 2020, Grêmio e Internacional finalmente conseguiram chegar à final da Copa São Paulo de Futebol ao mesmo tempo, transformando uma festa paulistana em um momento 100% gaúcho.

Liderados pelo meia Diego Rosa, os tricolores são levemente favoritos: possuem maiores destaques técnicos, parecem mais entrosados e demonstraram maior superioridade na competição. Do outro lado, o destaque da seleção brasileira Praxedes lidera os colorados como guerreiros: incansáveis, organizados e determinados.

Se desde 2011 a final não era disputada por dois times de fora do Estado de São Paulo, esta será apenas a quinta vez que um paulista não chega para disputar o título. Sem falar que é o primeiro GreNal em final da competição.

Nada simboliza mais as virtudes e os defeitos dos gaúchos que o GreNal. Se os missionários portugueses não conseguiram cruzar o "rio grande", estes jovens gremistas e colorados invadiram a Paulicéia, e, no dia que a cidade de São Paulo cumprirá 466 anos, ela será mais gaúcha do que nunca.

Uma verdadeira festa Carijó no terreno dos Tupiniquins. Viva o futebol brasileiro!

Campo Livre