PUBLICIDADE
Topo

André Rocha

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Fluminense surpreende em "turno" difícil na Libertadores

Fluminense mostrou brio e se impôs nas adversidades para seguir líder na Libertadores - Mailson Santana/Fluminense FC
Fluminense mostrou brio e se impôs nas adversidades para seguir líder na Libertadores Imagem: Mailson Santana/Fluminense FC
André Rocha

André Rocha é jornalista, carioca e colunista do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros "1981" e "É Tetra". Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Contato: anunesrocha@gmail.com

Colunista do UOL Esporte

07/05/2021 08h52

Quando saiu o sorteio da fase de grupos da Libertadores, o Fluminense parecia encarar o desafio mais complicado. Não só pelo gigante River Plate, mas também por conta do equilíbrio de forças com os colombianos Junior Barranquilla e Independiente Santa Fé. Times com mais rodagem e melhores resultados internacionais recentes que o time carioca, que volta ao principal torneio continental depois de oito anos. Em 2020 foi eliminado precocemente da Sul-Americana pelo Unión La Calera.

Contexto ainda mais complexo porque o "turno" do Grupo D previa estreia contra o River Plate em casa e jogos como visitante na Colômbia. Dependendo dos demais resultados, um mau início poderia terminar até em eliminação precoce, ou apenas a luta para seguir na Sul-Americana.

Mas o Fluminense surpreendeu como o melhor time em desempenho, que merecia até resultados mais expressivos. Dominou o River no Maracanã, venceu o Santa Fé por 2 a 1 com gols de Fred e empatou por 1 a 1 com o Junior, em Guayaquil, superando dificuldades de logística por conta dos protestos na Colômbia e um pênalti inexistente sobre Fuentes convertido por Borja, ex-Palmeiras, que abriu o placar.

O time de Roger Machado mostrou maturidade, inteligência, versatilidade e elenco homogêneo para impor dificuldades a todos os adversários. Com o garoto Kayky, 17 anos e já negociado com o Manchester City, contribuindo com velocidade e habilidade para gerar vantagem pelas pontas e até presença de área na bola parada para empatar o jogo em Guayaquil. Deve seguir dando retorno técnico até a viagem para se apresentar ao novo clube.

O novo treinador também encontrou em Cazares e Abel Hernández (ou Bobadilla) soluções para o grande dilema tricolor: como encaixar os veteranos, porém fundamentais, Fred e Nenê em uma proposta de jogo mais dinâmica e que exige momentos de pressão no campo de ataque? A resposta simples é usá-los até o limite e renovar o fôlego com os estrangeiros contratados. Fred foi decisivo contra o Santa Fé e Nenê acrescenta demais na articulação e nas bolas paradas.

É claro que o roteiro induziu o Flu a um estilo mais reativo do que Roger deseja, porém mais confortável e próximo do que fazia com Odair Hellmann e Marcão. A expulsão de Egídio empurrou o time para trás na Colômbia e fez o bom goleiro Marcos Felipe trabalhar mais que o esperado com grandes defesas no final. No Maracanã, a ideia do River de ficar com a bola fez a equipe jogar mais em transições e contra o Junior a posse foi de apenas 40%, apesar de finalizar mais: seis contra cinco.

Ainda assim, o início é promissor. De certa forma, a "pedreira" nas primeiras rodadas foi até interessante, porque o calendário tende a apertar bastante. No final de semana tem jogo decisivo pela semifinal do Carioca contra a Portuguesa. Tendência de time misto ou reserva, mas classificação mais que possível depois do empate por 1 a 1 na ida. Se passar, provavelmente a decisão será contra o Flamengo em dois jogos alternando com a reta final da fase de grupos da Libertadores.

Logo depois, início do Brasileiro e a terceira fase da Copa do Brasil, encarando o forte Red Bull Bragantino. A provável classificação para o mata-mata da principal competição sul-americana, dependendo do sorteio, pode colocar ainda mais obstáculos no caminho tricolor.

A resposta até aqui é positiva. Na volta à "elite" continental, o Fluminense demonstra capacidade de competir em alto nível, combinando juventude e experiência e dando respaldo ao início de trabalho de Roger Machado.

(Estatísticas: SofaScore)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL