PUBLICIDADE
Topo

Basquete

Após 49 anos, projeto que revelou Paula e Janeth deve acabar em SP

Magic Paula com a medalha de prata olímpica   - Fernando Cavalcanti/Folhapress
Magic Paula com a medalha de prata olímpica Imagem: Fernando Cavalcanti/Folhapress

Gustavo Amorim

Colaboração para o UOL

14/06/2017 04h00

O projeto que revelou Magic Paula e Janeth para o basquete brasileiro deve acabar no fim de junho. O Colégio Divino Salvador, em Jundiaí (SP) anunciou nesta terça-feira (13) a decisão de não investir mais no programa em parceria com a prefeitura de Jundiaí (SP). Entre as 18 jogadoras que atuaram na Olimpíada Rio-2016, sete passaram pelas categorias de base do Divino/Jundiaí, que existe desde 1968.

O possível término pegou Paula (convocada aos 14 anos para a seleção brasileira quando atuava pelo Divino/Jundiaí) de surpresa. “Não sabia disso. É muito triste”, afirmou a ex-atleta em contato com o UOL Esporte. “O Divino sempre foi um celeiro onde muitas meninas se destacaram, defenderam o país. Triste uma história acabar assim. A gente passa por um momento bem complicado com o basquete feminino no Brasil. Estamos aí tentando aumentar o número de equipes na Liga, mas na verdade a gente tem é que trabalhar muito a base, algo que o Divino fazia tão bem”, afirmou a medalhista de prata nas nos Jogos Olímpicos de Atlanta-1996 e campeã mundial na Austrália em 1994. Magic Paula atuou pela equipe entre 1976 e 1980 e retornou rapidamente no final dos anos 80.

Entenda

A decisão de não seguir com o projeto é estratégica pelo lado do Colégio Divino Salvador. A intenção, de acordo com o padre Samuel Alves Cruz, coordenador do colégio, é focar em projetos sociais e não mais no alto rendimento. “Estamos preocupados com a nossa atividade-fim, que é a formação escolar”. Ainda assim, o padre revela que há dois anos busca novas parcerias para a sequência do projeto, sem êxito. “Os patrocinadores começaram a deixar a equipe nesse tempo. Uma empresa se comprometeu a contribuir a partir de junho de 2017, mas depois voltou atrás. Não temos condições de continuar”.

Prefeitura reage e quer manter equipe

Por meio do gestor da Unidade de Esportes e Lazer Luiz Trientini, a Prefeitura de Jundiaí informou que vai buscar a manutenção do projeto e tentará patrocínios até o fim de junho, mas a possibilidade é pequena. “Temos pouco tempo. Queremos continuar nem que seja com o mínimo necessário, mas não podemos arcar”. Hoje, de acordo com o Trientini, prefeitura e colégio dividem os custos do projeto.

Técnico da Olimpíada em 2012 buscava patrocínio

Em seis meses, a comissão técnica do Divino/Jundiaí realizou cerca de 20 ações com a intenção de conseguir patrocínios para manter a equipe. As reuniões eram realizadas com Luiz Cláudio Tarallo, técnico da seleção feminina de basquete nas Olimpíadas de Londres-2012, atual treinador a equipe adulta e sub-19 do Divino/Jundiaí. 

Basquete