PUBLICIDADE
Topo

Splitter ressalta histórico e rebate Magnano: "Nunca apontamos o dedo"

Tiago Splitter pediu dispensa da seleção brasileira para poder curtir suas primeiras férias em oito anos - Kevin C. Cox/Getty Images/AFP
Tiago Splitter pediu dispensa da seleção brasileira para poder curtir suas primeiras férias em oito anos Imagem: Kevin C. Cox/Getty Images/AFP

Do UOL, em São Paulo

05/09/2013 12h13

O pivô Tiago Splitter utilizou sua conta nas redes sociais para se defender das críticas por ter pedido dispensa da seleção brasileira. O jogador do San Antonio Spurs ressaltou seu histórico de serviços prestados ao time nacional e 'alfinetou' o técnico Rubén Magnano, que reclamou publicamente dos atletas que optaram por não disputar a Copa América.

“Alguns falaram que a culpa foi dos jogadores que não foram. Lembro que, quando não estava na minha melhor forma e totalmente no sacrifício, fui criticado por jogar abaixo do que podia. Quando nasceu meu filho, fui diretamente aos treinamentos e passei os primeiros dois meses longe da família. Quando minha irmã estava vivendo seus últimos dias de vida, lá estava eu representando meu país”, escreveu Splitter.

“Sempre ganhamos juntos e principalmente perdemos juntos. Foram muitas vitórias e várias derrotas doídas. Na derrota é onde nos conhecemos melhor e nunca qualquer um de nós apontou o dedo para o outro , ao contrário, nos uníamos mais ainda”, completou o pivô.

Alegando cansaço, Splitter optou por não ir à Copa América para tirar férias, após longa temporada com o vice-campeão da NBA San Antonio Spurs. Foi a primeira vez em oito anos consecutivos que o jogador esteve ausente de uma grande competição pela seleção brasileira.

O pivô ainda utilizou seu comunicado para demonstrar solidariedade aos atletas que disputaram a Copa América. Splitter manifestou interesse em se juntar ao grupo para competições futuras e ressaltou o esforço feito pelos companheiros durante o período de preparação e disputa da Copa América.

“Sei exatamente como estão se sentindo meus companheiros de seleção depois de passarem mais de 50 dias longe da família, em regime de concentração, treinando. Terão sempre a minha solidariedade e apoio que sempre tive de todos eles. Em alguns meses estaremos todos juntos outra vez. Agora é a hora de refletir e pensar em um futuro melhor”, afirmou Splitter.

Basquete