PUBLICIDADE
Topo

Magnano diz que jogadores pediram dispensa após confirmarem presença

Magnano disse estar decepcionado com alguns dos jogadores que pediram dispensa da seleção - REUTERS/Mike Segar
Magnano disse estar decepcionado com alguns dos jogadores que pediram dispensa da seleção Imagem: REUTERS/Mike Segar

Daniel Neves

Do UOL, em São Paulo

05/09/2013 11h44

O técnico Rubén Magnano voltou a criticar os pedidos de dispensa sofridos pela seleção brasileira na Copa América. No desembarque da delegação em São Paulo, o treinador afirmou ter sido pego de surpresa com algumas ausências, já que os atletas em questão haviam confirmado que estariam com o grupo no torneio continental.

“Nem para elogiar nem para criticar sou uma pessoa que cita nomes. Mas em três ou quatro dispensas, eles haviam falado ‘sim’ para mim”, disse o treinador. “Achava que a presença desses três ou quatro jogadores me dava uma condição de segurança interior, de que poderiam pegar a equipe em suas mãos. Não aconteceu assim, por isso fiquei um pouco abatido com isso. São caras que decepcionaram muito a gente”.

"Tive a felicidade treinando a Argentina de, em quatro anos, não ter nenhum pedido de dispensa. Aqui você vê que é muito difícil, temos que trabalhar muito para criar uma consciência de seleção, um orgulho", completou Magnano.

Sete jogadores inicialmente convocados para a Copa América pediram dispensa da seleção brasileira. Anderson Varejão, Nenê, Leandrinho e Marquinhos alegaram lesões. Tiago Splitter optou por tirar férias, enquanto Lucas Bebê e Vitor Faverani deram preferência às negociações com equipes da NBA.

“Uma seleção nacional deveria ir a uma competição internacional com o melhor que tem. Falo sempre que os torneios classificatórios são muito mais importantes que as competições principais como Mundial e Olimpíadas. Porque se você não se classifica, foi embora, não está. É preciso esse esforço por parte dos atletas. Infelizmente esta temporada não contamos com esse esforço”, opinou Magnano.

"Sabia que seria difícil de alguns jogadores que convoquei virem, como o Leandrinho. Fisicamente seria muito difícil ir à competição, mas ele ainda tentou. A convocação foi para que os caras falem ‘não’ e expliquem isso também, porque não iriam. Tem que ser assim, é assim que eu vejo", completou.

O treinador argentino revelou que não pretende mais viajar a Europa e Estados Unidos, como em anos anteriores, para tentar convencer jogadores a defenderem à seleção. Magnano, porém, mantém as portas do time nacional abertas aos atletas que não estiveram na Copa América.

“Não adianta rancor, a seleção brasileira está acima de todos nós. Não tenho nenhum problema com eles, não temos que criar muito mais polêmica. Temos que trabalhar sobre isso e buscar uma maneira dos jogadores se comprometerem mais. Mas são caras que ainda vão representar em muitas ocasiões a seleção brasileira”, afirmou o treinador.

Basquete