PUBLICIDADE
Topo
Desigualdade

Desigualdade

Cabeleireiro atende pessoas em situação de rua: 'Mais autoestima'

No salão onde Leandro faz os atendimentos, as pessoas também recebem refeição e roupas novas - Arquivo pessoal
No salão onde Leandro faz os atendimentos, as pessoas também recebem refeição e roupas novas Imagem: Arquivo pessoal

Ed Rodrigues

Colaboração para Ecoa, do Recife

09/05/2022 06h00

Um cabeleireiro está ajudando pessoas em situação de rua a dar o pontapé inicial na virada de vida, em Votorantim, São Paulo. O profissional entende que, muitas vezes, as pessoas precisam de alguém que as apoie e lhes ajude a resgatar a autoestima. Com um ato simples de carinho, Leandro Matias, 37, realiza verdadeiras transformações no visual dessas pessoas, para que elas se sintam mais confiantes para buscar melhorias na vida.

Leandro leva a pessoa em situação de rua para o salão em dias específicos. Nessas ocasiões, o espaço não abre para o público em geral: toda a atenção do cabeleireiro e sua equipe vai para essas transformações.

Mais de 20 pessoas já passaram pelo salão. No local, elas também ganham refeições e roupas novas. A Ecoa, ele conta que a reação após a repaginada é impressionante. "É um misto de emoções com muito choro e riso."

Uma das transformações realizadas por Leandro Matias - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Uma das transformações realizadas por Leandro Matias
Imagem: Arquivo pessoal

"Não sei explicar como ocorre a escolha dessas pessoas. É muito aleatório. Eu passo, vejo e me dá aquela coisa no coração para ajudar. Começou com uma senhora. Bati os olhos nela e alguma coisa me impulsionou. Me aproximei e perguntei: 'a senhora acredita em Deus?'. Ela falou que sim. E eu disse: 'pois Ele mandou um presente para a senhora'. E assim fiz a primeira transformação", relembra.

Leandro trabalha como cabeleireiro desde os 14 anos. Com trabalho e persistência, conseguiu montar o próprio salão. Diz que o que faz é só retribuição ao que vida lhe proporcionou.

"Meu salão é simples, mas tenho bastante trabalho. Não tenho ajuda de ninguém. Sou eu e meus funcionários no dia a dia e nesse propósito de ajudar as pessoas", diz.

Uma nova chance

As transformações realmente mexem com essas pessoas e as incentiva. O profissional lembra que vários mudaram de vida a partir daquela injeção de autoestima. Um deles, inclusive, virou funcionário do salão.

"Tirei um rapaz da rua. Ele era usuário de crack. Fizemos a transformação, demos apoio. Consegui que ele fosse para uma clínica de desintoxicação. Hoje, tem família, uma casa e trabalha comigo", conta.

O jovem que o cabeleireiro cita é José Gabriel Moreira. Ele conta a Ecoa que tem Leandro como um pai e que agradece todos os dias pela oportunidade.

"Antes de ele me ajudar, eu estava passando muita necessidade. Foi uma época horrível. Me envolvi com o tráfico. Estava bem perdido quando ele me encontrou", afirma.

José Gabriel lembra com muito respeito do apoio que recebeu. Ele conta que teve o cabelo cortado, ganhou roupas, tênis e alimentação. O cabeleireiro passou a incentivá-lo — e o esforço, segundo o jovem, valeu a pena.

"Me sinto muito abençoado. Estou conquistando tudo que eu quero de forma honesta com esse anjo que me ajudou. Hoje, me sinto um privilegiado", diz.

Empatia

Leandro Matias fala que é possível mudar o mundo com gestos simples e respeito pelo próximo. Para isso, basta começar de alguma maneira. Ele ressalta que o mundo precisa de pessoas que olhem mais para as outras com empatia, e que esse olhar evolua para atos de solidariedade.

"É muito doido, não é? Você entrar na vida da pessoa e fazer o dia dela diferente. Estou usando o dom que Deus me deu para fazer o bem. É obrigação do ser humano fazer o bem. Sempre digo para minha família e meus ajudantes: se eu tenho um pão e você não tem nada, a gente tem meio pão cada um. A obrigação da gente é ajudar o próximo. O mundo está um caos. A gente precisa se amar mais, se respeitar mais. É ver que as pessoas têm fome, têm sede. E temos que repartir", conclui.

Desigualdade