PUBLICIDADE
Topo

Diversidade

Ecoa transmite palestras sobre "Branquitude, racismo e antirracismo"

Sueli Carneiro é uma das convidadas do evento - Divulgação
Sueli Carneiro é uma das convidadas do evento Imagem: Divulgação

Thaís Regina

Colaboração para Ecoa, de São Paulo

26/10/2020 04h00

"O que é ser branco para você?" — essa era a pergunta principal da pesquisa de doutorado em Psicologia Social da professora Lia Vainer Schucman. A tese, intitulada "Entre o encardido, o branco e o branquíssimo: Raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana", trata-se de uma investigação sobre a branquitude, seus mecanismos e disfarces dentro da nossa sociedade. Com os protestos incansáveis do movimento estadunidense Black Lives Matter, hoje com a principal demanda de cortar os investimentos que vão para a polícia, e o assassinato do menino João Pedro em maio, dentro de sua casa, durante uma ação conjunta da Polícia Federal com a Polícia Civil em São Gonçalo, no Rio de Janeiro, a indignação tem nos guiado enquanto sociedade para uma resolução: é urgente ser antirracista. Mas, como?

O Instituto Ibirapitanga convidou Lia Vainer Schucman para realizar uma cocuradoria e ajudar a construir um evento que propusesse uma reflexão profunda sobre as relações raciais e papeis sociais dentro da proposta antirracista. Juntos, desenvolveram um encontro de três dias, a partir de hoje (26), com conversas dedicadas ao assunto sob perspectivas diferentes e com convidados relevantes tanto no cenário nacional da discussão sobre direitos humanos quanto internacionalmente. A transmissão dos cinco debates será feita por Ecoa e pelo canal do UOL no Youtube.

Longe de ideias abstratas, o encontro "Branquitude, racismo e antirracismo" traz temas que desafiam a impotência perante as evidências de racismo estrutural no Brasil. Afinal, como se combate uma estrutura? Estarão reunidos pensadores críticos com o objetivo de elucidar quais são as ferramentas do antirracismo para desmontar a engenharia da branquitude.

Os temas abordados são: "O branco na luta antirracista: limites e possibilidades", "Alianças possíveis e impossíveis entre brancos e negros para equidade racial", "O protagonismo negro no desvelar da branquitude", "O papel da comunicação no antirracismo" e, para encerrar a imersão, "O que podem os indivíduos diante da estrutura?".

Lia estará como convidada em uma das mesas, assim como Sueli Carneiro, filósofa e idealizadora do Geledés - Instituto da Mulher Negra, e Robin Diangelo, professora e escritora — autora de "Não basta não ser racista: sejamos antirracistas" (tradução brasileira de "White Fragility: Why It's So Hard For White People To Talk About Racism"), um best-seller segundo o "The New York Times". Para mediar as conversas, o Instituto convidou nomes como Tiago Rogero, jornalista e coordenador de projeto na Rádio Novelo, e Bianca Santana, jornalista, escritora e colunista de Ecoa.

O Ibirapitanga é um instituto criado em 2017 pelo cineasta Walter Salles, com o objetivo de fortalecer a democracia brasileira por meio de doações para outras instituições e promoção de debates. Sua atuação tem ênfase nos assuntos de equidade racial e sistemas alimentares.

Veja abaixo a programação completa do ciclo "Branquitude, racismo e antirracismo". Veja mais detalhes sobre o encontro no site do Instituto. Você também pode se cadastrar para receber mais informações.

Segunda-feira, dia 26 de outubro

18h: O branco na luta antirracista: limites e possibilidades
Convidados: Robin Diangelo, Cida Bento e Thiago Amparo (mediador)

Terça-feira, 27 de outubro

16h: Alianças possíveis e impossíveis entre brancos e negros para equidade racial
Convidadas: Sueli Carneiro, Lia Vainer Schucman e Ana Paula Lisboa (mediadora)

18h: O protagonismo negro no desvelar da branquitude
Convidados: Deivison Faustino, Lourenço Cardoso e Luciana Brito (mediadora)

Quarta-feira, 28 de outubro

16h: O papel da comunicação no antirracismo
Convidados: Liv Sovik, Nic Stone e Tiago Rogério (mediador)

18h: O que podem os indivíduos diante da estrutura?
Convidadas: Jurema Werneck, Thula Pires e Bianca Santana (mediadora)

Diversidade