PUBLICIDADE
Topo

Microinfluenciadores de favelas ganham plataforma digital

Segundo responsáveis pela iniciativa, o canal terá a vantagem de falar diretamente com o público consumidor das favelas - Fernando Frazão/Agência Brasil
Segundo responsáveis pela iniciativa, o canal terá a vantagem de falar diretamente com o público consumidor das favelas Imagem: Fernando Frazão/Agência Brasil

Agência Brasil

29/06/2020 17h41Atualizada em 01/07/2020 17h10

A Favela Holding, entidade com mais de 20 empresas de empreendedorismo cujo braço social é a Central Única das Favelas (Cufa), apresentou hoje o projeto "Digital Favela". Uma plataforma que pretende ajudar os microinfluenciadores comunitários (MICs) das favelas brasileiras.

O diretor executivo da Favela Holding, fundador da Cufa e do Data Favela, Celso Athayde, explicou à Agência Brasil que os empresários já começaram a ficar preocupados diante da perspectiva de uma nova recessão, com queda do PIB (Produto Interno Bruto) para este ano.

"Quando voltar a economia, um percentual muito grande de favelados vai continuar sem trabalho. Então, ou a gente consegue alternativas para essas pessoas ou elas vão continuar sem recursos", ponderou.

Influenciadores

Segundo Athayde, a nova plataforma digital terá a vantagem de falar diretamente com o público consumidor das favelas brasileiras.

"Quando a gente pensa em um grande artista que vai anunciar coisas para a favela, as favelas, necessariamente, não vão consumir porque aquele artista não fala para a favela com autoridade. É a mesma coisa que ocorre na televisão. Nem todo mundo se identifica com o que é transmitido", esclareceu Celso Athayde.

Ele deu um exemplo prático. Se um empresário quiser vender panela de pressão nas favelas, descobrir que existem duas mil mulheres moradoras nas favelas, cada uma com dois mil seguidores dentro das favelas, ele vai ver que essas mulheres têm a autoridade de quem fala aquilo que pensa, aquilo que usa.

Athayde observou que ao apresentar a credibilidade das influenciadoras das favelas para grandes empresas, estas, por sua vez, não precisarão pagar um influenciador que tenha dois milhões de seguidores, mas procurar vários microinfluenciadores que, no final, vão corresponder aos mesmos dois milhões. Com a diferença de serem dois milhões de pessoas impactando aquele território e com a credibilidade de quem fala para pouca gente, para amigos próximos e para parentes.

"Aí, em vez delas (influenciadoras) receberem R$ 200 mil, como recebem os grandes influenciadores, vão receber R$ 70 a R$ 80. Vai depender de quantas empresas elas têm."

Três etapas

A plataforma foi montada em parceria com a agência de publicidade Peppery. O funcionamento se dá em três etapas: a primeira foi a organização da empresa, formalização, concepção e montagem do site; a segunda envolve a captura de microinfluenciadores e seu treinamento. A terceira etapa, que terá início no final de julho, promoverá o encontro entre os micro influenciadores e as empresas.

O grande foco são as marcas interessadas em ampliar a comunicação com um público não representado e estimado em quase 14 milhões de brasileiros e com uma estimativa de consumo de R$ 120 bilhões por ano, segundo pesquisa dos institutos Data Favela e Locomotiva.

As primeiras marcas a aderir ao projeto foram a PicPay, Facebook e Uber. A PicPay deve contratar influenciadores do Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, enquanto o Facebook pretende fomentar seu programa de empreendedorismo, focado em apoiar o pequeno negócio local que, agora mais do que nunca, precisa de suporte para enfrentar a crise do coronavírus.

O Uber, por sua vez, também prevê ações para o segundo semestre, programando recrutar para essas ações moradores no Morro do Alemão e Rocinha, no Rio de Janeiro; Paraisópolis e Heliópolis, em São Paulo; e Sol Nascente, no Distrito Federal, por exemplo.

Gerando renda

Serão cadastradas pessoas em todo o País, de modo a facilitar a identificação e contratação dos microinfluenciadores para participarem das ações que forem planejadas pelas empresas.

Athayde reforçou que a ideia é transformar esses microinfluenciadores em profissionais que, mesmo sem muitos seguidores, vão ter renda para ajudá-los nesse momento de pandemia.

Campanha #MudaQueEcoa - banner 1 - Arte/UOL - Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

Participe da campanha #MudaQueEcoa e compartilhe as mudanças positivas que adotou durante a quarentena e vai manter no futuro!

Basta compartilhar um vídeo de até 30 segundos via Stories do Instagram contando qual foi a mudança adotada no período que pretender manter pós-quarenta e convidar três pessoas para compartilharem as suas histórias. Não se esqueça de usar a #MudaQueEcoa e marcar o @Ecoa_UOL, além dos amigos escolhidos.

Desigualdade