PUBLICIDADE
Topo

Quais as reivindicações de entregadores que entram em greve nesta quarta

Entregadores de moto no trânsito em São Paulo - Felipe Larozza/UOL
Entregadores de moto no trânsito em São Paulo Imagem: Felipe Larozza/UOL

Diana Carvalho

De Ecoa, em São Paulo

29/06/2020 04h00Atualizada em 01/07/2020 17h02

"Você sabe o quanto é tortura um entregador com fome tendo que carregar comida e o logo deles nas costas?". O questionamento dos Entregadores AntiFascistas dá o tom das motivações da paralisação nacional marcada para a próxima quarta-feira (1), que cobra melhores condições de trabalho para entregadores de aplicativos delivery, como Rappi, iFood, UberEats, Loggi e James.

Paulo Lima, o Galo, líder dos Entregadores AntiFacistas, ficou conhecido por ampliar o debate em torno da precarização da atividade e é um dos apoiadores da greve. "Tem entregador que pedala, pedala, pedala o dia inteiro. O cara está tão preocupado em sobreviver, que quando chega 23h ele esquece que tem que voltar pra casa. Sabe o que ele faz? Ele dorme na rua porque não aguenta pedalar 30 km pra voltar pra casa!".

"A uberização do trabalho é global, não só dos entregadores. É impossível e nem devemos parar esse movimento, mas é preciso regrá-lo. Se querem crescimento, expansão, isso deve ser feito com responsabilidade", disse Galo durante participação em uma live promovida nesta sexta-feira (26) pelo coletivo sindical e popular Travessia, que abordou a paralisação e o trabalho digital precário.

A categoria que já lidava com a falta de assistência e direitos básicos viu o cenário piorar em meio pandemia de covid-19. Considerada atividade essencial, o serviço segue com alta demanda e baixa remuneração, enquanto os riscos, principalmente de contrair a doença, só aumentam.

Na paralisação, motoboys e ciclistas reivindicam mais segurança, alimentação durante a jornada de trabalho, taxas justas, licença remunerada em caso de acidentes, além do fim do sistema de pontuação e de bloqueios indevidos.

Nas redes sociais, o perfil Treta no Trampo vem divulgando a importância de apoiar a mobilização e formas de consumidores de aplicativos contribuírem.

As redes sociais têm sido o caminho escolhido para engajar os consumidores dos apps à causa dos entregadores. O Galo, líder dos Entregadores Antifascistas, por exemplo, sugeriu que os usuários do Twitter postassem mensagens usando a #BrequeDosApps para que o assunto ganhasse mais visibilidade. A iniciativa tem dado certo. Hoje (30), não só a hashtag de Galo, como a #ApoioBrequeDosApps, ganharam força nas redes sociais e foram compartilhadas por influenciadores e políticos como Eduardo Suplicy e Marcelo Freixo, em demonstrações de apoio à greve que acontecerá amanhã (1º).

Quais são as reivindicações da paralisação nacional dos entregadores?

Aumento do valor por km

Com o aumento da demanda pelo serviço de entregada em meio à pandemia de covid-19, os entregadores afirmam que o lucro dos aplicativos aumentaram, mas nenhum reajuste foi repassado aos trabalhadores.

Aumento do valor mínimo

Os entregadores reivindicam o aumento no valor mínimo de entrega para que possa ser compensado o deslocamento de cada um deles, tanto de bikers quanto de motoboys

Fim dos bloqueios por meio dos aplicativos

Segundo a categoria, aplicativos rastreiam participantes de protestos e movimentos e realizam bloqueios e desligamentos da plataforma

Fim da pontuação e restrição de local pela Rappi

Para os entregadores, a pontuação força o trabalhador a longas jornadas de trabalho, já que para conseguir mais corrida e acesso a determinadas áreas é preciso conquistar uma pontuação mínima por semana. Ou seja, quanto mais entregas, mais pontos acumulados.

Seguro de roubo e acidente

A categoria pede segurança contra roubos e em casos de acidentes durante a jornada de trabalho.

Auxílio-pandemia

Distribuição de EPIs e licença remunerada em caso de doença.

O que dizem e quanto pagam os aplicativos

Em nota, o iFood afirmou que "apoia a liberdade de expressão em todos as formas e que em nenhuma hipótese entregadores são desativados por participar de movimentos". A empresa pontuou que o valor médio pago por rota é de R$ 8,46 e que esse valor é calculado usando fatores como, por exemplo, a distância percorrida entre o restaurante e o cliente, além de uma taxa pela coleta do pedido no restaurante e uma taxa pela entrega ao cliente, incluindo ainda variações referentes a cidade, dia da semana e veículo utilizado para a entrega.

Sobre medidas de enfrentamento da covid-19, a empresa diz que distribuiu mais de 818 mil itens de proteção individual entre 1º de abril e 25 de junho para os entregadores ativos durante a quarentena, tendo cada um recebido um kit com 4 máscaras reutilizáveis e 500 ml de álcool gel.

A Uber Eats e a Rappi não retornaram ao contato, mas informaram recentemente a sua política de pagamento após serem questionadas sobre a queda de valores pagos aos entregadores. A Uber Eats disse que "todos os ganhos estão disponibilizados de forma transparente para entregadores parceiros, no próprio aplicativo e que não houve nenhuma diminuição nos valores pagos por entrega, que seguem sendo determinados por uma série de fatores, como a hora do pedido e distância a ser percorrida."

Já a Rappi diz que "o frete varia de acordo com o clima, dia da semana, horário, zona da entrega, distância percorrida e complexidade do pedido. Dados da empresa mostram que cerca de 75% deles ganha mais de R$ 18 por hora e que quase metade dos entregadores parceiros passam menos de uma hora por dia conectados no app".

Campanha #MudaQueEcoa - banner 2 -  -

Participe da campanha #MudaQueEcoa e compartilhe as mudanças positivas que adotou durante a quarentena e vai manter no futuro!

Basta compartilhar um vídeo de até 30 segundos via Stories do Instagram contando qual foi a mudança adotada no período que pretender manter pós-quarenta e convidar três pessoas para compartilharem as suas histórias. Não se esqueça de usar a #MudaQueEcoa e marcar o @Ecoa_UOL, além dos amigos escolhidos.

Desigualdade