PUBLICIDADE
Topo

Laboratório descodifica dados ocultos em acidentes com Autopilot da Tesla

Tesla Model X - REUTERS/Francois Lenoir
Tesla Model X Imagem: REUTERS/Francois Lenoir

Da Reuters

21/10/2021 13h59

O laboratório forense do governo holandês disse nesta quinta-feira que descriptografou o sistema de armazenamento de dados de direção da fabricante de carros elétricos Tesla, revelando informações que podem ser usadas para investigar acidentes graves.

Já se sabia que os carros da Tesla armazenam dados de acidentes, mas o Instituto Forense da Holanda (NFI) disse que descobriu muito mais dados do que os investigadores tinham conhecimento anteriormente.

A NFI disse que os dados descriptografados mostram que os veículos da Tesla armazenam informações sobre a operação de seu sistema de assistência ao motorista, conhecido como Autopilot. Os veículos também registram a velocidade, a posição do pedal do acelerador, o ângulo do volante e o uso do freio e, dependendo de como o veículo é usado, esses dados podem ser armazenados por mais de um ano.

"Esses dados contêm uma riqueza de informações para investigadores criminais e analistas de acidentes de trânsito, e podem ajudar em uma investigação criminal após um acidente de trânsito fatal ou um acidente com ferimentos", disse Francis Hoogendijk, investigador digital da NFI, em um comunicado.

A Tesla não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

O laboratório holandês disse que, em vez de buscar os dados da Tesla, tinha registros de dados de "engenharia reversa" - um processo no qual o software é desconstruído para extrair informações - presentes nos veículos da Tesla "para investigá-los objetivamente".

'Quem é responsável?'

A NFI investigou uma colisão envolvendo um motorista do Tesla usando o Autopilot e um carro na frente dele que de repente freou forte.

A investigação mostrou que o motorista do Tesla reagiu dentro do tempo de resposta esperado para retomar o controle do carro, mas a colisão ocorreu porque o Tesla estava seguindo o outro veículo muito perto no tráfego intenso.

"Isso torna interessante, porque quem é o responsável pela distância: o carro ou o motorista?" disse o investigador da NFI, Aart Spek.

A NFI disse que a Tesla criptografa seus dados de condução codificados para manter sua tecnologia protegida de outros fabricantes e proteger a privacidade do motorista. Os proprietários de automóveis podem solicitar seus dados, incluindo filmagens, em caso de acidente.

No início deste ano, a Tesla disse que havia estabelecido um site na China para armazenar dados de automóveis localmente, em um momento em que montadoras estão sob vigilância sobre como lidam com as informações coletadas por câmeras e sensores de veículos.

Tesla poderia ter revelado mais dados

A NFI disse que a Tesla atendeu às solicitações de dados das autoridades holandesas, mas deixou de fora muitos dados que poderiam ser úteis.

"A Tesla, entretanto, fornece apenas um subconjunto específico de sinais, apenas os solicitados, por um período de tempo específico, enquanto os arquivos de log contêm todos os sinais gravados", disse o relatório da NFI.

Ao descriptografar o código da Tesla, a NFI agora sabe mais sobre que tipo de dados a montadora está armazenando e por quanto tempo, permitindo solicitações de dados mais detalhadas, disse Hoogendijk.

"Você não pode reivindicar o que você não sabe, então é útil que agora saibamos o que mais está sendo armazenado", disse ele.

Hoogendijk acrescentou que isso também se aplica a outras montadoras, já que os investigadores simplesmente não sabem quanto e que tipo de dados as fabricantes armazenam e por quanto tempo.

A Tesla tem acesso remoto aos dados, disse o laboratório, que são periodicamente baixados de carros e usados

A NFI disse que obteve dados dos Models S, Y e X da Tesla e do Model 3 e compartilhou os resultados em uma conferência da European Association for Accident Research para que outros analistas de acidentes possam usá-los.

Em agosto, a Administração Nacional de Segurança de Tráfego Rodoviário dos EUA (NHTSA) abriu uma investigação de segurança formal sobre o sistema de Autopilot da Tesla em 765 mil veículos dos EUA após uma série de acidentes envolvendo carros da Tesla e veículos de emergência.

Até o momento, a NHTSA identificou 12 acidentes que envolveram veículos Tesla usando os sistemas avançados de assistência ao motorista e os veículos de emergência. NHTSA disse que a maioria dos incidentes ocorreram depois de escurecer.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.