PUBLICIDADE
Topo

Ghosn deve deixar prisão após tribunal rejeitar apelação de promotores

Carlos Ghosn - Divulgação
Carlos Ghosn
Imagem: Divulgação

Linda Sieg e Tim Kelly

05/03/2019 13h36

Resumo da notícia

  • Decisão representa uma vitória para a equipe legal do executivo
  • Foi o terceiro pedido de fiança após mais de 100 dias preso
  • Se for condenado, Ghosn pode passar até uma década na prisão
  • Nissan não quis comentar a decisão da fiança

Um tribunal do Japão rejeitou a tentativa de promotores de manter na prisão o ex-presidente da Nissan Motor, Carlos Ghosn, ao determinar que o executivo pode ser liberado com o pagamento de uma fiança de 8,9 milhões de dólares após mais de 100 dias preso.

O Tribunal Distrital de Tóquio, que mais cedo concedeu a fiança a Ghosn, disse hoje que rejeitou uma apelação dos promotores que buscavam mantê-lo preso até seu julgamento por improbidade financeira.

A decisão representa uma vitória para a equipe legal de Ghosn em seu terceiro pedido de fiança. Ele deve deixar o centro de detenção em Tóquio, onde esteve pelos últimos três meses, na quarta-feira. O tribunal aceitou as garantias dos advogados de defesa de que Ghosn se submeteria a uma vigilância intensa.

A soltura permitirá que Ghosn --arquiteto da parceria da Nissan com a francesa Renault -- se reúna com seus advogados frequentemente e prepare uma defesa antes do julgamento. Ele é acusado de quebra de confiança agravada e de ter informado valores inferiores aos da compensação de 82 milhões de dólares recebida da Nissan durante quase uma década.

Se for condenado por todas as acusações, ele pode passar até uma década na prisão. O ex-presidente da Nissan, Renault e Mitsubishi Motors negou qualquer irregularidade.

A Nissan não quis comentar a decisão da fiança, que veio um dia depois de a nova equipe legal de Ghosn dizer que ele estava esperançoso de ser libertado com a promessa de seu submeter à vigilância.