PUBLICIDADE
Topo

Por que casal gay do VW Polo é só início de comerciais de carros para LGBTs

Casal gay em anúncio da VW gerou polêmica; especialistas dizem que inclusão virou prioridade na comunicação das montadoras - Reprodução
Casal gay em anúncio da VW gerou polêmica; especialistas dizem que inclusão virou prioridade na comunicação das montadoras Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo (SP)

14/05/2022 04h00

A propaganda do Volkswagen Polo com fotos de um casal gay tem gerado grande repercussão nas redes, que vai desde elogios à iniciativa até críticas à marca, além de ataques homofóbicos contra os participantes da campanha - que formam um par na vida real.

Independentemente das reações negativas, fontes consultadas por UOL Carros dizem que o público LGBTQIA+ vai aparecer cada vez mais em peças publicitárias, sejam elas promovidas por montadoras ou por empresas de outros segmentos. Isso vale para variados perfis de consumidores que no passado não apareciam ou deixavam de ser priorizados em anúncios de produtos.

  • O UOL Carros agora está no TikTok! Acompanhe vídeos divertidos, lançamentos e curiosidades sobre o universo automotivo.

"Já faz algum tempo que o perfil de consumo no Brasil e em outros mercados exige posicionamento social das marcas. Lançar um produto sem se comunicar com as minorias hoje equivale a abrir mão desse público", analisa Silas Colombo, chefe de comunicação da agência Motim - especializada em acelerar a reputação de empresas.

Colombo acrescenta que essa tendência tem crescido a reboque da publicidade digital e das redes sociais, que se tornaram uma "ferramenta poderosa", segundo ele, para falar de maneira mais pessoal com diferentes perfis de consumidores ao mesmo tempo.

"Quando a publicidade era concentrada em rádio, TV e midias impressas, as empresas se limitavam a apresentar seu produto a quem desejasse comprá-lo. Atualmente, o consumidor quer se relacionar com marcas que o representam, que falam sobre sua experiência social e tenham a ver com suas vivências", contextualiza Colombo.

Segundo ele, trata-se de uma mudança estratégica que chegou para ficar e não de um foco específico na comunidade LGBTQIA+.

"Essa personalização da mensagem não se restringe a um tipo de consumidor. Lançada originalmente em 2021, a campanha do Polo não é exclusiva para homossexuais. O público LGBT não é diferente dos demais. Está presente em todas as camadas sociais e faixas de renda, como outros brasileiros, só que antes era marginalizado".

'Propaganda do Polo faz VW ser desejada'

Professor de planejamento de campanha da ESPM, Murilo Moreno concorda que o Polo é para todas as pessoas capazes de adquiri-lo, inclusive homens gays, conforme diz a VW na respectiva campanha publicitária.

"Não acredito que a Volkswagen esteja priorizando um tipo de consumidor. Ela, como outras companhias, tem aprendido a falar com diferentes públicos. A montadora acerta ao se posicionar, encabeçando o debate sobre diversidade e inclusão, tão urgente na sociedade atual.", pontua.

Ex-executivo de Fiat e Nissan, Moreno avalia que a iniciativa da Volks faz com que a marca reforce uma imagem de modernidade e continue sendo desejada pelos consumidores, apesar das críticas, que devem perder força, acredita.

"O respeito à orientação sexual e outros temas relacionados à diversidade se tornaram prioridade para as montadoras. Não adianta fechar os olhos para esses assuntos, é preciso entender e abraçar os diferentes perfis de consumidor".

Fiat mostrava casal lésbico há 20 anos

Série de comerciais da Fiat convidava espectador a rever conceitos e retratava casal lésbico há duas décadas - Reprodução - Reprodução
Série de comerciais da Fiat convidava espectador a rever conceitos e retratava casal lésbico há duas décadas
Imagem: Reprodução

Murilo Moreno conclui, dizendo que não é de hoje que as fabricantes de veículos buscam ampliar sua fatia de consumidores.

Ele destaca a série de comerciais para a TV que a Fiat lançou há cerca de 20 anos, instigando a audiência a rever seu conceito em relação à marca - que tinha identificado alto índice de rejeição a seus produtos, devido a problemas verificados nos primeiros modelos lançados pela marca, que chegou ao Brasil em meados dos anos 1970.

"As propagandas abordavam vários tipos de preconceito envolvendo aspectos como sexo, idade, cor da pele e orientação sexual. Uma das peças mostrava um casal lésbico em reunião da escola do filho. Nos anos 1950 e 1960, muito antes da polêmica com o casal gay, a Volkswagen fez uma campanha publicitária destacando que mulheres também sabem dirigir bem".

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

Siga o UOL Carros no