Topo

Cultura do carro


Ruas congestionadas e domínio Fiat-Renault: como é o trânsito na Turquia

Pode ser táxi ou não: Fiat Egea é sucesso de vendas na Turquia - Vitor Matsubara/UOL
Pode ser táxi ou não: Fiat Egea é sucesso de vendas na Turquia
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

Vitor Matsubara

Do UOL, em Istambul (Turquia)

31/10/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Estudo feito em 6 continentes aponta cidade turca como 2ª mais congestionada do mundo
  • Fiat e Renault se alternam na liderança de vendas da indústria automotiva local
  • Sedã Egea foi o carro mais vendido de 2018

A Turquia guarda muitas semelhanças com o Brasil. Ambos têm regiões banhadas pelo mar e são repletos de belos monumentos e paisagens deslumbrantes. Mas os países também compartilham semelhanças no trânsito do dia-a-dia.

UOL Carros fez uma breve visita a Istambul no caminho de volta à Tóquio, mas pode ver que os turcos sofrem com os mesmos problemas do nosso país.

Os congestionamentos figuram no topo da lista em uma das maiores cidades da Turquia. Uma pesquisa feita pela INRIX, organização especializada na análise de dados de tráfego pelo mundo, aponta Istambul como a segunda cidade mais congestionada do planeta.

A estimativa é que os motoristas perderam uma média de 157 horas (ou seis dias e meio) presos no trânsito em 2018. O número de Istambul, aliás, é praticamente o mesmo do que as 154 horas registradas em São Paulo - a cidade mais congestionada do Brasil.

Motoristas perdem mais de 150 horas por ano presos no engarrafamento em Istambul - Vitor Matsubara/UOL
Motoristas perdem mais de 150 horas por ano presos no engarrafamento em Istambul
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

Assim como na capital paulista, não existe hora para o trânsito complicar em Istambul. As ruas do centro travam rapidamente a partir das 15h e nem a presença maciça de controladores de tráfego ajuda a desafogar o congestionamento.

Outro ponto importante que aproxima os dois países (mas não de uma forma tão positiva) é a falta de educação dos motoristas. Raras foram as vezes em que presenciamos gentilezas ao volante - mais comum eram as brigas por espaço nas ruas e buzinadas constantes sem motivo aparente. Lembra algum lugar?

Frota de carros: domínio de Fiat e Renault

A indústria automotiva é extremamente importante para a economia turca. Mas as vendas dependem muito de incentivos concedidos pelo governo. Prova disso foi a vertiginosa queda de 66% nos resultados de agosto deste ano, apenas um mês apenas o fim dos benefícios dados pelas autoridades às montadoras.

Números da Associação das Distribuidoras Automotivas (tradução para a sigla ODD) indicam 620.937 unidades emplacadas em 2018, sendo 486.321 automóveis de passeio e 134.616 veículos utilitários.

Egea é prova da predileção dos turcos pela Fiat - Vitor Matsubara/UOL
Egea é prova da predileção dos turcos pela Fiat
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

Mesmo assim, carros de Fiat e Renault estão por todas as partes de Istambul. As montadoras se revezam na liderança do mercado, e também dominam a lista dos modelos mais vendidos.

Os italianos levaram a melhor em 2018 com o Egea (nada mais do que uma versão turca do Tipo Sedan), que teve 34.060 unidades vendidas no ano passado. A vice-liderança ficou com o Renault Mégane e seus 29.381 carros comercializados, seguido por Renault Clio (26.460), Honda Civic (23,799 unidades) e Toyota Corolla (23,576 veículos).

Lembra do Symbol? O nome é o mesmo, mas o carro é o Logan - Vitor Matsubara/UOL
Lembra do Symbol? O nome é o mesmo, mas o carro é o Logan
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

Alguns modelos já fabricados na Turquia também são bem famosos no Brasil. São os casos dos finados sedãs Fiat Linea e Renault Symbol. Este último, porém, não é mais baseado no velho Clio Sedan, e sim no atual Logan. Apenas o nome é diferente no mercado turco.

Cultura do carro