Topo

Salão de Xangai


Caoa Chery promete dobrar rede, confirma Tiggo 8 e aposta em elétricos

Exibido em novembro no Salão do Automóvel, Tiggo 8 chega até 2020 para concorrer na faixa do VW Tiguan Allspace - Vitor Matsubara/UOL
Exibido em novembro no Salão do Automóvel, Tiggo 8 chega até 2020 para concorrer na faixa do VW Tiguan Allspace
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

Vitor Matsubara

Xangai (China)*

22/04/2019 12h00

A Caoa Chery prepara uma estratégia baseada em dois pilares para tentar crescer no Brasil: ampliação da rede de concessionárias e novos produtos.

Caoa Chery Tiggo 8 terá opção com 3 fileiras de assentos - Vitor Matsubara/UOL
Caoa Chery Tiggo 8 terá opção com 3 fileiras de assentos
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

A montadora promete aumentar o número de revendas das atuais 65 para 111 até o final do ano. Esse volume inclui tanto a troca de bandeiras (de pontos da Caoa que eram Hyundai) quanto a construção de novas concessionárias.

Aliás, uma curiosidade: parte dos pontos de venda (atuais e futuros) da Caoa Chery pertenciam à concorrente JAC Motors e foram adquiridos junto ao Grupo SHC -- representante da marca controlada pelo empresário Sérgio Habib.

Versão elétrica do sedã Arrizo 5 já está em fase de homologação para o Brasil - Vitor Matsubara/UOL
Versão elétrica do sedã Arrizo 5 já está em fase de homologação para o Brasil
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

Carros elétricos próximos do Brasil

A viagem até a China também serviu para UOL Carros conhecer as versões elétricas de Tiggo 2 e Arrizo 5, além do pequenino eQ1. Todos estão em fase de homologação no Brasil, sendo os dois primeiros em estágio mais avançado. E produzi-los no país nem seria tão difícil assim, ainda que a fabricante admita a necessidade de fazer um estudo para viabilizar a produção local de baterias.

"Seria preciso fazer uma pequena linha de produção em paralelo para montar alguns componentes. O eQ1, porém, exigiria mais tempo e investimento", admite o gerente de marketing e vendas da Caoa Chery, Henrique Sampaio.

As versões elétricas de Tiggo 2 e Arrizo 5 são muito parecidas com os modelos vendidos no Brasil. Há apenas pequenas e óbvias diferenças, como a ausência do câmbio (substituído por um seletor giratório com as posições "N", "D" e "R") e o total silêncio a bordo.

Dirigimos os três modelos elétricos em uma pequena pista de testes na fábrica da Chery, em Wuhu (China), e publicará as impressões oportunamente. Por ora, podemos antecipar que o Arrizo 5 tem o projeto mais acertado do trio, e, por isso, acreditamos que seria a escolha mais acertada para o mercado brasileiro.

O sedã tem boa dirigibilidade e comportamento suave. É ágil como todo carro elétrico, ainda que esportividade não seja seu forte -- até porque nem deveria ser. A direção é mais pesada do que os outros modelos e a suspensão se mostrou bem calibrada em uma pista de testes com paralelepípedos, buracos e outras imperfeições. Nem seria preciso realizar tantas adaptações em seu ajuste, como normalmente acontece nos projetos de origem chinesa.

Por enquanto, Sampaio admite apenas que "o preço será um pouco acima dos modelos a combustão, mas abaixo dos elétricos rivais".

Considerando que o Arrizo 5 atualmente parte de R$ 65 mil, não seria exagero projetar uma versão elétrica por R$ 120 mil -- valor semelhante ao pedido por um Toyota Corolla Altis.

Tiggo 8 vem aí; marca de luxo está indefinida

Quanto ao restante da gama, o Tiggo 8 é o próximo lançamento da marca no Brasil. O maior e mais requintado SUV da linha será feito em Anápolis e estreia no mercado até o começo de 2020.

Apesar de já ter uma gama completa de SUVs (Tiggo 2, 5X, 7 e o futuro 8), a Chery ainda tem o Tiggo 3 em seu país natal. De porte mais compacto, ele seria o "sucessor virtual" do Tiggo, vendido no Brasil até 2018.

Questionado sobre as chances da Caoa Chery lançar mais um SUV compacto no país, o diretor de marketing do grupo Caoa, Marcello Braga, afirmou que por enquanto não há planos.

O executivo também ressaltou que o possível lançamento do Tiggo 3 poderia causar uma "canibalização"dentro da linha, nome dado quando um modelo posicionado em uma faixa de preço mais próxima rouba vendas de outro.

Existe também a possibilidade de a marca Exeed (uma espécie de "Lexus da Chery") pintar no mercado brasileiro. Ainda não há, porém, confirmação oficial, já que faltaria definir detalhes fundamentais, como se os veículos seriam produzidos localmente ou importados para o Brasil.

Atualmente, a Exeed oferece o TX, um SUV de porte médio-grande com 4,69 metros de comprimento, 1,88 m de largura, 1,70 m de altura e 2,71 m de distância entre-eixos.

O carro é vendido na China com motor 1.6 turbo de 197 cv, sendo que existe uma versão híbrida para a Europa, composta por um motor 1.5 turbo e outro elétrico, somando 218 cv.

Ambas as versões utilizam câmbio automatizado de dupla embreagem com sete marchas e tração nas quatro rodas.

*Viagem a convite da Caoa Chery

Caoa Chery Arrizo 5 quer incomodar sedãs tradicionais

Programa Auto+

Tabela Fipe

Você sabe quanto variou o preço do seu carro nos últimos meses?

Errata: o texto foi atualizado
O Tiggo 8 estreia provavelmente em 2020, e não em 2010

Mais Salão de Xangai