PUBLICIDADE
Topo

Jorge Moraes

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Caoa Chery terá versões eletrificadas de todos os seus carros até 2024

Tiggo 8 será o primeiro carro da Caoa Chery a ganhar versão eletrificada - Murilo Góes/UOL
Tiggo 8 será o primeiro carro da Caoa Chery a ganhar versão eletrificada Imagem: Murilo Góes/UOL
Conteúdo exclusivo para assinantes
Jorge Moraes

Jornalista, Jorge Moraes trabalha com o segmento automotivo desde 1994. Presente nos principais salões internacionais, é editor do caderno de Carros no Diário de Pernambuco, diretor e apresentador do programa Auto Motor na Band, e âncora do programa CBN Motor na rádio CBN Recife.

Colunista do UOL

02/10/2021 04h00

A Caoa Chery anunciará um novo passo para avançar ainda mais no mercado nacional. A montadora se prepara para eletrificar todos os carros da marca até 2024, a começar com o Tiggo 8 Pro plug-in no próximo ano.

CEO da Caoa Chery, Márcio Alfonso conversou com UOL Carros sobre o projeto e não comentou sobre qual será o produto se dará a largada a essa nova fase. Checamos, porém, que desembarcará no próximo mês o Tiggo 8 plug-in, com autonomia no modo 100% bateria acima de 50 km. Bem acima. Rumores indicam que o SUV poderá rodar até 80 quilômetros sem visitar o posto de combustível.

Cada modelo da Caoa Chery terá uma versão com a motorização híbrida. Isso inclui todos os carros disponíveis na gama, desde o sedã Arrizo até os SUV Tiggo 5, Tiggo 8 e o recém-apresentado Tiggo 3x - além dos demais que ainda serão apresentados.

Outras marcas já prometeram algo parecido. É o caso da Toyota, que também terá uma opção híbrida para cada modelo do seu portfólio - no caso da japonesa, porém, essa promessa acontece a partir de 2025.

Marcio Alfonso, CEO da Caoa Chery  - Divulgação - Divulgação
Marcio Alfonso, CEO da Caoa Chery
Imagem: Divulgação

"A eletrificação é uma necessidade, pois todos os países tem uma meta de diminuição de CO2. Hoje nós temos que buscar soluções para realizar essa diminuição e o Brasil não está desconectado disso. Temos feito algumas pesquisas que mostram que a solução ideal para cada país depende da sua matriz energética", destaca Alfonso.

Nos Estados Unidos e China existem um forte investimento nesses veículos elétricos, mas é preciso observar quais são as suas fontes de energia. No país asiático, por exemplo, para produzir as baterias veiculares e para carregá-las, existe uma grande emissão de poluentes na atmosfera.

"O Brasil tem uma variedade de opções. Como a energia eólica, que vem crescendo pelo país, particularmente no Nordeste. Tem a solar, que tem um grande potencial de exploração. E temos biocombustíveis".

Márcio Alfonso lembrou que, em uma recente pesquisa, ficou comprovado que não só na Europa, como no Brasil, a melhor combinação é da energia elétrica com o biocombustível. "Estamos apostando por esse caminho, biomassa mais a eletrificação", complementou o executivo.

Desenvolver

A partir daí é preciso desenvolver os motores e os sistemas elétricos. O executivo disse que já conta com o aprendizado vindo da Chery da China, que trabalha com a Caoa nessa frente de desenvolvimento, através de convênios com universidades e centros de pesquisa brasileiros, para fazer a solução que ele e o time da nova chairman do grupo, Izabela de Oliveira Andrade, acreditam.

Antes de destacar quais serão os veículos a receberem a modificação na motorização, a marca reforça que primeiro é preciso chegar a uma meta específica de eficiência energética para depois pensar na produção que nós antecipamos aqui.