PUBLICIDADE
Topo

Infomoto

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Raras e cobiçadas: 10 motocicletas marcantes dos 100 anos da Moto Guzzi

Inovadora, marca italiana foi a primeira fabricante de motos a usar túnel de vento ainda na década de 1950 - Divulgação
Inovadora, marca italiana foi a primeira fabricante de motos a usar túnel de vento ainda na década de 1950 Imagem: Divulgação
Arthur Caldeira

Arthur Caldeira, jornalista e motociclista (necessariamente nessa ordem) fundador da Agência INFOMOTO. Mesmo cansado de ouvir que é "louco", anda de moto todos os dias no caótico trânsito de São Paulo.

Colunista do UOL

29/05/2021 04h00

A italiana Moto Guzzi completa um século de existência em 2021. A Società Anonima Moto Guzzi, fundada em 15 de março de 1921 na cidade de Gênova, pelos amigos Carlo Guzzi e Giorgio Parodi, comemora a data cheia de energia e vivendo um bom momento.

Conseguiu renovar sua linha de motocicletas, com modelos que vão das clássicas V7 à bigtrail TT85, com recursos técnicos de última geração, mas sem perder seu estilo e autenticidade, como o motor de dois cilindros em "V" transversal e a transmissão final por eixo-cardã.

A Moto Guzzi hoje faz parte do grupo Piaggio, o mesmo que criou a Vespa e detém marcas como Aprilia e Derbi. "Capacidade de inovação, ousadia, espírito competitivo, amor pelo produto e atenção à qualidade da produção são qualidades que ao longo dos anos fortaleceram a marca", declarou o CEO e presidente do grupo, Roberto Colaninno.

A marca já não está mais oficialmente no Brasil, mas chegou a ser vendida por aqui nos anos de 1990 e início dos anos 2000. Os modelos da Moto Guzzi, principalmente mais antigos, são raros e cobiçados e cobiçados por aqui - uma rara Airone 250 cc da década de 1940 chega a valer em torno de R$ 50 mil.

Entre os eventos programados para celebrar os 100 anos está uma exposição itinerante com modelos representativos na história da Moto Guzzi, que chega agora ao Museu Piaggio, em Pontedera, na Itália. As motos, em perfeito estado, pertencem ao acervo histórico do Automóvel Clube da Itália.

Selecionei 10 modelos, que fazem parte da exposição, e marcaram suas respectivas épocas, como obras-primas do engenho e da mecânica, máquinas extraordinárias que muitas vezes estiveram à frente de seu tempo e sempre representaram exemplos de estilo e tecnologia. Além de contribuírem para a evolução das motocicletas e fazerem parte da história da Itália.

Caso da lendária moto de corrida Otto Cilindri de 1955, equipada com um motor de oito cilindros em "V", compacto como um quatro cilindros, que atingia incríveis 285 km/h. O modelo foi desenvolvido no primeiro túnel de vento da história da indústria da motocicleta (foto que abre essa coluna). Confira.

Normale 500 (1921)

Moto Guzzi Normale - Divulgação - Divulgação
A Normale 500 foi a primeira moto produzida em série pela Guzzi
Imagem: Divulgação

Primeira motocicleta construída em série pela Moto Guzzi, a Normale 500 já traz características que serão encontradas em muitos modelos posteriores da marca. Guiado por Gino Finzi, o modelo deu a primeira vitória à Moto Guzzi na exigente Targa Florio. Capaz de chegar a 85 km/h, a Normale chegava a 85 km / h e foi produzida até 1924.

Norge GT 500 (1928)

GT Norge 500 - Divulgação - Divulgação
Giuseppe Guzzi, irmão do fundador da marca, rodou 6 mil km até o Círculo Polar Ártico com uma Norge 500 em 1928
Imagem: Divulgação


Primeiro modelo a ter uma estrutura elástica, a balança traseira, que proporcionou mais conforto ao piloto, sem comprometer a estabilidade. Equipado com um motor de um cilindro, 4 tempos de 498,4 cm³ e câmbio de três velocidades, o modelo ganhou o apelido de Norge e levou Giuseppe Guzzi ("Naco", irmão de Carlo Guzzi, fundador da Moto Guzzi)até o Círculo Polar Ártico depois de viajar seis mil quilômetros em 28 dias em 1928.

500 Bicilindrica (1933)

Guzzi Bicilindrica - Divulgação - Divulgação
Bicilindrica 500 tinha soluções inovadoras que são usadas até hoje nas pistas de corrida
Imagem: Divulgação

A Bicilindrica (cilindro duplo) foi projetada pessoalmente por Carlo Guzzi em 1933. A moto estreou nas pistas em outubro e já venceu a primeira corrida em dezembro daquele mesmo ano. O modelo trazia inovações, como quadro em berço duplo, garfo dianteiro em paralelogramo e balança traseira que incluía molas na parte externa da roda para controlar a altura da moto. Ao longo de sua longa carreira sofreu mudanças substanciais no chassi que a deixaram ainda mais competitiva. O modelo só foi aposentado em 1951.

Motoleggera "Guzzino" (1947)

Motoleggera "Guzzino" - Divulgação - Divulgação
Com apenas 65 cc, a "Guzzino" foi sucesso de vendas na Itália pós-Segunda Guerra Mundial
Imagem: Divulgação

A Motoleggera, carinhosamente apelidada de Guzzino, foi construída de 1946 a 1954 a pedido de Carlo Guzzi, que instou o engenheiro Antonio Micucci a criar um veículo econômico que atendesse às necessidades de mobilidade de uma população devastada pela guerra. Com o desenho de uma motocicleta leve, com motor de pequeno porte (não mais que 50 cm³) e rodas altas, foi criado um modelo bem simples. Com motor de 65cc, a moto tornou-se imediatamente um sucesso comercial.

Falcone Turismo 500 (1949-1954)

Falcone - Divulgação - Divulgação
Falcone 500 era a preferida dos amantes de longas viagens
Imagem: Divulgação


Uma das criações mais famosas da Guzzi, a Falcone 500 tornou-se um dos modelos preferidos entre os amantes das motos de turismo para longas distâncias. E foi justamente para enfatizar as capacidades turísticas deste veículo que em novembro de 1953, o Falcone Turismo foi criado e equipado com os para-lamas, caixa de câmbio deslizante e cronômetro, além de rodas de aço e proteções para as pernas.

Galletto (1952)

Galletto - Divulgação - Divulgação
Um dos modelos de maior sucesso comercial da Guzzi, a Galletto era uma mistura de cub com scooter e tinha até estepe
Imagem: Divulgação

A Galletto foi um dos modelos Guzzi mais populares de todos os tempos. Com motor de um cilindro horizontal (originalmente de 160 cc), comando por varetas e arrefecimento a ar, a Galleto tinha caixa de 3 velocidades com um pedal de marcha - e alavanca manual como opcional-, e rodas de 17 ", que eram grandes o suficiente para garantir estabilidade e aderência à estrada e pequenas o bastante para acomodar o pneu sobressalente - que ia na frente do escudo dianteiro.

8 Cilindri GP 500 (1955-1957)

8 Cilindri GP 500 - Divulgação - Divulgação
Moto Guzzi de corrida tinha motor de 500cc, oito cilindros em V e chegava a 285 km/h em 1955!
Imagem: Divulgação

O modelo exposto, de 1957, é uma reestilização do original de 1954, do engenheiro Giulio Cesare Carcano. A produção de uma segunda versão era o sonho de longa data da Carcano, que se tornou realidade em 1957 e a moto de corrida Moto Guzzi mais famosa de todos os tempos. Assim, a versão final do famoso motor em V a 90 graus, quatro tempos e oito cilindros com uma 498,5 cc de capacidade se tornou um ícone na história do motociclismo. Seu motor, potente e moderno para a época, atingia uma velocidade máxima de 275 km/h.

V7 Sport (1972)

V7 Sport - Divulgação - Divulgação
Motor de dois cilindro em "V" a 90°, posicionado transversalmente, estreou na V7 em 1966 e virou marca registrada da Guzzi
Imagem: Divulgação

Equipada com o inovador motor de dois cilindros em "V" a 90°, posicionados transversalmente, criado pelo designer Giulio Cesare Carcano, a V7 foi lançado em 1966 e é um dos modelos mais duradouros da Guzzi - está em linha até hoje, em uma versão mais moderna, mas com a mesma essência esportiva. A V7 deu origem a diversas versões, como a Special de 1969, com motor de 750 cc, mas a mais famosa dela é a V7 Sport, sinônimo de esportividade e velocidade para os jovens dos anos de 1970.

850 Le Mans (1976)

Guzzi Le Mans - Divulgação - Divulgação
Le Mans de 1976 tinha itens luxuosos para a época, como diversos componentes feitos em liga-leve e carenagem do farol
Imagem: Divulgação

O modelo Le Mans começou a ser produzido em 1975. A moto esteve em showrooms até 1993, quando conquistou corações através de suas várias versões: Le Mans II em 1978, Le Mans III em 1981, Le Mans 1000 em 1984 e Le Mans CI (Full Carenagem) em 1987. Além da potência do seu motor, que levava o modelo a 240 km/h, as características da Le Mans eram requintadas: componentes de liga leve, uma pequena carenagem superior, um tanque de combustível de formato angular, entre outros detalhes.

V85 TT

V85TT - Divulgação - Divulgação
V85 TT é prova de que a Moto Guzzi chega em forma aos 100 anos: uma bigtrail moderna, mas com a identidade da marca
Imagem: Divulgação

Prova de que a Guzzi se modernizou, sem perder sua identidade, é o lançamento recente, em 2019, da V85 TT, modelo aventureiro de olho no segmento bigtrail, um dos mais populares atualmente. Embora seja recheada de tecnologia, a V85 TT usa um motor V2 de 853 cm³, montado transversalmente, uma característica da marca, mas já com alumínio e titânio em sua construção. Como uma moderna bigtrail, também conta com modos de condução e cruise control com acesso na manopla. A transmissão final é feita por eixo-cardã. Vida longa a Guzzi.