PUBLICIDADE
Topo

Infomoto

Aumento do ICMS deixa motos ainda mais caras em São Paulo; compare preços

Alíquota do imposto para veículos novos passou de 12% para 13,3% no estado no último dia 15 de janeiro - Caio Mattos/Divulgação
Alíquota do imposto para veículos novos passou de 12% para 13,3% no estado no último dia 15 de janeiro Imagem: Caio Mattos/Divulgação
Arthur Caldeira

Arthur Caldeira, jornalista e motociclista (necessariamente nessa ordem) fundador da Agência INFOMOTO. Mesmo cansado de ouvir que é "louco", anda de moto todos os dias no caótico trânsito de São Paulo.

Colunista do UOL

24/01/2021 04h00

Quem pensou em comprar uma moto nova nos últimos meses notou que os preços subiram. Alta do dólar, aumento da demanda, produção limitada pela crise do coronavírus em Manaus (AM)... Enfim, não faltam motivos para explicar o aumento de preços de motos e carros. Mas, desde 15 de janeiro, os paulistas estão pagando mais caro que os consumidores de outros estados pelas motocicletas e automóveis zero quilômetro.

O motivo é o aumento da alíquota do ICMS no Estado, feito pelo governador João Dória (PSDB) para veículos usados e novos. Desde o último dia 15 de janeiro, a alíquota sobre o valor de venda dos veículos usados passou de 1,8% para 5,5%. Em abril, deverá ser reajustada para 3,9%.

Já no caso de veículos novos, o imposto passou de 12% para 13,3% e o decreto do governo estadual prevê ainda que o imposto de circulação de mercadorias e serviços para veículos novos vai subir para 14,5% a partir de abril.

Isso obrigou as fábricas de motocicletas a adotar uma tabela diferenciada para o Estado de São Paulo. Segundo a Honda, maior fabricante de motos do país, "desde o dia 15 de janeiro, todas as motocicletas ofertadas pela marca no estado de São Paulo passam a apresentar um PPS (Nota da Redação: Preço Público Sugerido) diferente em relação a outros Estados do Brasil". Vale lembrar que o PPS não inclui frete e seguro de transporte das motos, no caso da Honda.

Ainda de acordo com a marca, o acréscimo deve ser de 1,3% no preço público sugerido. Já que a alíquota final em São Paulo será de 13,3%, enquanto em outros estados da federação a taxa é de 12%.

O aumento de preço também deve impactar o preço de motos de outras marcas vendidas em São Paulo. Além da Honda, a Yamaha, segunda maior fabricante de motos, confirmou que já aumentou o preço de seus modelos em São Paulo e também adotou uma tabela específica para o estado.

Assim como os concessionários de automóveis, os revendedores paulistas de motocicletas temem que os consumidores possam ir a outros Estados comprar motos, para fugir do preço mais alto em São Paulo.

Confira quanto os paulistas vão pagar a mais por algumas das motocicletas mais vendidas do Brasil. Os valores referem-se ao preço público sugerido e não incluem frete que pode variar de acordo com o Estado.

Honda CG 160 Titan

Honda CG 160 Titan - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

+ Preço Brasil: R$ 12.240

+ Preço São Paulo: R$ 12.462

Honda Biz 125

Honda Biz 125 - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

+ Preço Brasil: R$ 10.590

+ Preço São Paulo: R$ 10.778

Yamaha Fazer 150

Fazer 150 - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

+ Preço Brasil: R$ 12.490

+ Preço São Paulo: R$ 12.715

Yamaha NMax 160 ABS

Yamaha NMax - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

+ Preço Brasil: R$ 14.990

+ Preço São Paulo: R$ 15.250

Honda Bros 160 ESDD

Honda Bros 160 - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

+ Preço Brasil: R$ 13.640

+ Preço São Paulo: R$ 13.886