PUBLICIDADE
Topo

Vazamento de óleo: como identificar onde está o problema no seu carro

Thais Roland

Thais Roland é técnica em Manutenção Automotiva e apaixonada pela graxa. Com seu canal no YouTube 'Coisa de Meninos Nada', busca informar, orientar e dar suporte em relação a dúvidas e neuras sobre o mundo dos carros

Colunista do UOL

14/04/2020 04h00

Aproveitando a dúvida de um dos leitores da coluna sobre seu Fusca, resolvi postar sobre vazamento de óleo lubrificante do motor. Como o motor do Fusca é um pouco diferente da maioria dos carros, comento primeiro sobre os "mais comuns" e depois falo um pouco sobre o clássico da Volkswagen.

Quando vocês chegam à oficina com um problema de vazamento de óleo, inspecionamos alguns lugares "padrões", que têm histórico de vazamento.

O primeiro deles é o bujão do cárter (o parafuso por onde esgotamos o óleo velho durante uma troca). Por vezes, o problema é apenas por falta de aperto, mas também pode ocorrer desgaste natural da vedação, batidas, entre outros.

Depois vamos para a junta do cárter, que o acomoda no bloco do motor. Por desgaste natural, a junta começa a apresentar falha na vedação, o que resulta em vazamento.

Se tudo parece bem na parte de baixo, vamos para cima: a tampa de válvulas, que também conta com uma junta para acomodá-la no cabeçote do motor. Essa junta é um ponto muito comum de vazamento e, nesse caso, faz uma bagunça no motor, já que o óleo vem escorrendo desde lá de cima, sujando tudo o que encontra pela frente.

Por último, verificamos os retentores. Estas são peças que também sofrem desgaste e podem apresentar vazamentos, mas estão dentro do motor, no virabrequim e no comando de válvulas, o que nos obriga a abrir parte do motor. Por isso ficam por último na inspeção, a não ser que nós identifiquemos a origem do fluxo de vazamento apontando para esses retentores.

Outros motivos podem resultar em vazamento de óleo, mas estes são os pontos mais comuns, o que mais recebemos nas oficinas. E é justamente por esse motivo que os inspecionamos primeiro.

Motores de Fusca têm uma construção diferente, mas também são clássicos para apresentarem vazamentos nas tampas de válvulas - que no caso dele são duas, uma de cada lado do motor.

Pelo fato de o bloco do motor do Fusca ser dividido em duas metades, o ponto onde as faces se encontram também é local comum de vazamentos, especialmente depois que o motor passa por uma retífica.

Retentores também são um problema nesses motores, assim como outros pontos como capas de tuchos, encosto dos cilindros e bomba de óleo. Por isso, se você sonha em ter um Fusquinha, prepare-se psicologicamente. Reza a lenda que Fusca que não vaza óleo é porque não tem óleo.

Mas nada como cuidados especiais do mecânico que monta o motor do Fusca. Eventualmente os vazamentos vão surgir, mas quando um motor desses é bem montado, especialmente depois de uma retífica, dá para contornar bem os vazamentos usando vedadores adequados.

Espero que tenha ajudado e fico aguardando os comentários de vocês, que são sempre muito importantes. Continuem mandando dúvidas para enriquecer a coluna e se cuidando nessa pandemia.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.