PUBLICIDADE
Topo

Rio de Janeiro

"Dispersão dos blocos é um problema", diz coordenador de Carnaval do Rio

O Spanta Neném fez um dia intenso de pré-Carnaval neste sábado (11) no Rio, começando com matinê e terminando em show - Marco Antonio Teixeira/UOL
O Spanta Neném fez um dia intenso de pré-Carnaval neste sábado (11) no Rio, começando com matinê e terminando em show Imagem: Marco Antonio Teixeira/UOL

Giovani Lettiere

Colaboração para o UOL

13/02/2017 11h36

Funcionou o primeiro dia oficial do Carnaval 2017 no Rio, avaliou Mário Fillippo, coordenador de Carnaval da Riotur, empresa de turismo municipal organizadora da folia carioca. O sábado (11) -- quando vários blocos grandes desfilaram na cidade -- serviu de termômetro para a prefeitura definir ajustes necessários para as próximas semanas de festa, explicou o coordenador ao UOL na concentração da Banda de Ipanema.

"Hoje foi o teste de fogo, com grandes blocos, como Desliga da Justiça, Vira-Lata, Imprensa Que Eu Gamo e Banda de Ipanema, mas conseguimos garantir a fluidez e uma melhor estrutura para os foliões. O saldo foi positivo", festejou o diretor. "Tivemos uma semana tensa com boatos de greve na polícia e é o primeiro Carnaval da nova administração", ponderou.

Mas ainda há muito o que fazer: "A dispersão dos blocos ainda é um problema. Tem um efeito cascata na liberação. No Desliga da Justiça, tivemos um desgaste para reabrir a praça Santos Dumont, quando um grupo, que não tinha nada a ver com a organização do bloco, ligou um outro equipamento de som e tivemos problemas para liberar a praça".

Segundo Mário, a crise econômica está passando longe do Carnaval. "Conversei com muitos ambulantes cadastrados para trabalhar na folia e eles me reportaram um aumento significativo nas vendas em relação ao Carnaval do ano passado", finalizou.