PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Gripe não é 'fraca' e vacina é a melhor prevenção; entenda a importância

Tomaz Silva/Agência Brasil
Imagem: Tomaz Silva/Agência Brasil

Bárbara Therrie

Colaboração para VivaBem

16/05/2022 04h00

Desde que foi lançada em 4 de abril, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza não atingiu a meta de imunização que se esperava para um dos públicos-alvo da primeira etapa: os idosos acima de 60 anos.

Segundo dados do Ministério da Saúde, pouco mais de 30% dos idosos se vacinaram contra a gripe em todo o Brasil no primeiro mês da campanha. Essa primeira fase também incluiu os profissionais da área da saúde.

"Está muito aquém do desejável. Os idosos são o principal grupo de risco para complicações pela gripe", afirma Flávia Bravo, diretora da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações).

Tânia Chaves, infectologista, docente da Faculdade de Medicina da UFPA (Universidade Federal do Pará) e representante regional da SBIm-Pará, diz que um dos motivos para a baixa cobertura está relacionada a uma percepção equivocada que as pessoas têm: "Elas acham que a gripe é uma doença leve ou fraca, que a vacina contra ela não é tão importante, que a covid é mais grave. Há até quem pense que o vírus da gripe despareceu depois do surgimento do coronavírus".

Segundo Bravo, é essencial uma boa divulgação e comunicação que informe com simplicidade a importância e a disponibilidade das vacinas e os riscos da infecção. "Os riscos que a baixa cobertura vacinal pode trazer são vários, entre eles, o aparecimento de surtos e epidemias, o aumento no número de casos de síndrome respiratória aguda grave e a sobrecarga do sistema de saúde. São consequências que vêm ao longo do tempo por conta de uma doença que é plenamente evitável por vacina", afirma.

O surto de gripe que explodiu no final de 2021 é, inclusive, apontado como uma dessas consequências da baixa adesão, uma vez que permitiu um ambiente propício para a propagação, fora de época, da epidemia do vírus influenza H3N2, que teve início no Rio de Janeiro e se espalhou rapidamente para outros estados.

Quem se vacinou em 2021 deve se vacinar em 2022?

Vacina H1N1, influenza, vacinação, gripe suína - Getty Images - Getty Images
Imagem: Getty Images

Para quem tomou o imunizante durante o surto de gripe em novembro/dezembro no ano passado fica a dúvida se precisa se vacinar este ano. A resposta é sim, porque as vacinas de gripe de 2021 e 2022 são diferentes.

Eliane Matos dos Santos, infectologista pediátrica e membro do Comitê de Infectologia da Soperj (Sociedade de Pediatria do Estado do Rio de Janeiro), diz que houve alteração em uma cepa de influenza A e uma das cepas de influenza B. A variante H3N2, da linhagem de Darwin (subtipo A), foi incluída na composição deste ano.

Chaves, que também é consultora da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia), afirma que devemos nos imunizar todos os anos justamente pelo fato de o vírus causador da gripe sofrer frequentes mutações. "As vacinas devem ser atualizadas de acordo com a circulação das variantes do vírus influenza."

Bravo explica que as vacinas são pensadas para nos proteger durante a estação da gripe enquanto os vírus estão circulando e não ao longo do ano. "As vacinas influenza nos protegem. Não é com todo mundo, é um dado estatístico, mas com seis meses da aplicação a gente já não pode contar com a mesma proteção que tínhamos quando nos imunizamos nos primeiros 14 dias. Há uma perda de proteção no decorrer do ano, o que é mais um motivo para nos nos vacinarmos anualmente", comenta.

Vacina é a melhor prevenção contra quadros graves

A imunização contra a gripe ainda é a melhor medida de prevenção, isso porque ela estimula o nosso sistema imunológico a produzir células de defesa contra o vírus, de acordo com a infectologista pediátrica Santos: "Caso sejamos infectados antes de termos sintomas gripais, nosso sistema de defesa produzirá anticorpos que nos protegerão de adoecermos, ou se adoecermos, de termos complicações e quadros graves".

Quem não se vacina contra a gripe, especialmente as pessoas que fazem parte dos grupos de risco e prioritários, pode necessitar de assistência hospitalar: "A gripe pode ser uma doença grave e evoluir com complicações como pneumonia bacteriana. A depender do quadro, pode ser necessário o uso de ventilação mecânica e a doença pode levar até a óbito", diz a docente da UFPA.

Homem com máscara usa álcool nas mãos quarentena isolamento social covid-19 - Getty Images - Getty Images
Imagem: Getty Images

Outras medidas de prevenção contra a gripe incluem evitar aglomerações, lugares fechados sem ventilação, higienizar as mãos com água e sabão e/ou álcool em gel, evitar coçar nariz, boca, caso as mãos não estejam limpas. O uso de máscaras também pode ajudar a evitar a transmissão do vírus.

A vacina influenza disponível nos postos de saúde é trivalente e protege contra as cepas H1N1, H3N2 e um tipo B. A ofertada na rede privada é quadrivalente e a diferença é que ela possui uma cepa a mais de outra linhagem do vírus influenza tipo B na sua composição, ampliando o potencial de proteção. É importante ressaltar que quem tomar a vacina trivalente também estará protegido.

A diretora da SBIm explica que essas diferenças fazem parte de uma evolução natural das vacinas, de acordo com a observação da própria evolução epidemiológica dos vírus influenza em circulação ao redor do mundo. Segundo ela, muito provavelmente a vacina quadrivalente estará disponível no SUS nas próximas campanhas públicas.

A Campanha Nacional de Vacinação deste ano entrou na sua segunda fase no último dia 3. A nova etapa é destinada a crianças com idade entre 6 meses e menores de 5 anos e indivíduos de outros grupos prioritários, como gestantes e puérperas, povos indígenas, professores da rede ensino pública e privada, entre outros. A campanha se encerra no dia 3 de junho.

Saúde