PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Eficácia: saiba os dados atuais de CoronaVac, AstraZeneca, Pfizer e Janssen

Entenda como estão os números de eficácia das vacinas atualmente - iStock
Entenda como estão os números de eficácia das vacinas atualmente Imagem: iStock

Cristina Almeida

Colaboração para VivaBem

25/08/2021 09h42

Enquanto observamos o avanço da vacinação para a prevenção da covid-19, os estudos —em laboratório e na vida real— sobre a eficácia das vacinas ou efetividade dos imunizantes disponíveis no Brasil também prosseguem em todo o mundo. Mas como estão os números atualmente em comparação aos vistos nos estudos e ensaios divulgados no fim de 2020?

Antes, é preciso entender o que eficácia e efetividade significam.

  • Eficácia: representa o quanto uma vacina é capaz de prevenir doenças em um ambiente controlado, ou seja, os cientistas avaliam a resposta a ela em condições e grupos de pessoas monitorados e específicos.
  • Efetividade: representa como esses mesmos imunizantes funcionam quando são utilizados na população em geral --cenário atual.

Algumas pesquisas já têm trazido mais informações sobre como essas substâncias se comportam na proteção contra as variantes do coronavírus, incluindo a delta, além de seus efeitos a depender da idade da pessoa imunizada. Os dados que coletamos são os mais atualizados até agora e já incluem os resultados de um recente estudo da Universidade de Oxford que observou a efetividade das vacinas AstraZeneca e Pfizer em relação às variantes alfa e delta.

De acordo com dados do Instituto Butantan, no Brasil a variante ainda dominante é a gama (P.1 - amazônica), representando, no estado de São Paulo, 89,82% dos casos —seguida pelas P.1.2 (4,22%), alfa (B.1.1.7, britânica) e delta. E todas as vacinas têm oferecido proteção contra elas.

No entanto, essas conclusões podem ser alteradas a qualquer momento, a depender da publicação de novas pesquisas, e também do eventual aparecimento de outras mutações do Sars-CoV-2 —a variante delta vem ganhando força e tende a se tornar dominante nos próximos meses.

Veja o que sabemos até hoje, considerando a vacinação completa (duas doses para todos os imunizantes, com exceção da dose única da Jannsen) das vacinas aplicadas no Brasil:

AstraZeneca - eficácia geral e contra a delta

Eficácia geral (inclui dados do fabricante/estudo sem revisão)

  • 76% na prevenção de doença sintomática (após 15 dias ou mais da 2ª dose)
  • 74,6% a 86% proteção para a variante alfa
  • 100% prevenção de doença grave
  • 92% prevenção de hospitalizações

Efetividade/delta (dados fabricante/estudos sem revisão ou publicação)

  • 60% a 92% na prevenção de doença sintomática (após 2 doses)
  • 92% na prevenção de hospitalizações (após 2 doses)
  • 69% na prevenção de infecções (após 14 dias da 2ª dose)
  • 61% na prevenção de infecções (após 90 dias da 2ª dose)

Casos graves e hospitalizações no Brasil (2 doses):

  • 93,8% para 60 a 79 anos
  • 91,3% para mais de 80 anos

CoronaVac (Instituto Butantan) - eficácia geral e contra a delta

Eficácia geral

  • 51% na prevenção de casos sintomáticos (2 doses)
  • 100% na prevenção de doença grave (2 doses)
  • 100% na prevenção de hospitalização (2 doses)

Resultados do Projeto S, que vacinou 75% da população de Serrana (São Paulo)

  • 80% redução dos casos sintomáticos
  • 80% redução das internações
  • 95% redução de mortes

Pesquisas de outros países que aplicaram esta vacina em massa têm mostrado que a CoronaVac protege contra a doença sintomática em percentuais que variam de 65% a 83%. Nos quesitos hospitalização e morte, os resultados do Chile, por exemplo, mostraram proteção de 88% e 90%, respectivamente.

Efetividade consistente para todas as idades. Entre pessoas com 60 anos ou mais:

  • 67.4% na prevenção de doença sintomática
  • 83,3% na prevenção de hospitalizações
  • 83% na prevenção de morte

Efetividade contra mortes em idosos*:

  • 86% - 70 a 74 anos
  • 87% - 75 a 79 anos
  • 49,9% - 80+ anos

*Dados preliminares compilados pelo estudo brasileiro do grupo Vebra Covid-19.

Delta*

  • Entre 69,5% e 77,7% na prevenção de casos graves
  • 69,5% contra o aparecimento de pneumonias decorrentes da doença

*Esses dados foram divulgados pelo Butantan a partir de informações do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da província de Cantão/Guangdong. Na ocasião, o instituto também declarou que já está investigando se a CoronaVac é efetiva contra a delta.

Janssen (Johnson&Johnson) - eficácia geral e contra a delta

Eficácia geral

  • 67% na prevenção de doença moderada a grave 14 dias após a vacina
  • 66% na prevenção de doença moderada após 28 dias
  • 77% na prevenção de doença grave/crítica após 14 dias
  • 85% na prevenção de doença grave/crítica após 28 dias

Efetividade no Brasil:

  • 66,2% na prevenção de quadros moderados da doença após 14 dias da vacinação
  • 68,1% na prevenção de casos graves e críticos após 28 dias da vacinação

Eficácia Delta*

  • 71% contra hospitalizações
  • + de 95% de prevenção de morte

*Estes dados são de uma pesquisa preliminar apresentada pelo Ministério da Saúde da África do Sul.

Eficácia por idade

Dados do fabricante informam que, independentemente da idade, 96% dos adultos apresentaram anticorpos neutralizantes.

Pfizer - eficácia geral e contra a delta

Eficácia geral

  • 95% na prevenção de infecções (um estudo ainda sem revisão apontou 84% após 6 meses)
  • 91,3% na prevenção de doença sintomática
  • 95,3% a 100% na prevenção de doença grave

Eficácia contra a delta (ago/2021)*

  • 92% na redução da carga viral após 14 dias da 2ª dose
  • 90%, 85% e 78% após 30, 60 e 90 dias, respectivamente, da 2ª dose
  • 88% na prevenção de doença sintomática
  • 96% na prevenção de hospitalizações

*Dados do Ministério da Saúde de Israel trouxeram 90% de proteção contra doenças graves e 39% para infecções.

Efetividade por faixa etária (14 dias após a 2ª dose)

  • 90% entre pessoas de 18 a 35 anos (infecção)
  • 77% entre pessoas de 35 a 64 anos (infecção)

Fontes: Instituto Butantan; Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz); OMS (Organização Mundial da Saúde); FDA (Food and Drugs Administration); Yale Medicine; Pouwels, K. B. et al. Preprint at Univ. Oxford https://www.ndm.ox.ac.uk/files/coronavirus/covid-19-infection-survey/finalfinalcombinedve20210816.pdf (2021); Tanriover MD et al. Efficacy and safety of an inactivated whole-virion SARS-CoV-2 vaccine (CoronaVac): Interim results of a double-blind, randomised, placebo-controlled, phase 3 trial in Turkey. Lancet 2021 Jul 8; 398:213. (https://doi.org/10.1016/S0140-6736(21)01429-X); Jara A et al. Effectiveness of an inactivated SARS-CoV-2 vaccine in Chile. N Engl J Med 2021 Jul 7; [e-pub]. (https://doi.org/10.1056/NEJMoa2107715).

Errata: o texto foi atualizado
Diferente do que foi informado, a CoronaVac apresentou proteção entre 69,5% e 77,7% contra casos graves da covid-19 gerados pela variante Delta, e não 100%. A informação já foi corrigida.

Saúde