PUBLICIDADE

Topo

Cansaço, dormência, câimbra: sinais que indicam deficiência nutricional

iStock
Imagem: iStock

Carol Firmino

Colaboração para o VivaBem

15/12/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Sinais físicos não representam o início de um problema nutricional, eles podem indicar que algo já vem errado há algum tempo
  • Exames como hemograma, ferritina e transferrina conseguem identificar algumas deficiências de nutrientes
  • Cada indivíduo precisa ser avaliado individualmente, por meio da combinação de uma análise dos sintomas e dos exames realizados

Cansaço fora do normal, dormência nas mãos ou nos pés, queda exagerada de cabelo, desânimo constante e outras sensações parecidas costumam passar despercebidas por quem conhece pouco o próprio corpo. Pode até ser que rotinas muito atarefadas e as exigências do dia a dia resultem em efeitos próximos, mas também é possível que sua alimentação não esteja suficientemente nutritiva para dar conta de tudo o que seu organismo precisa.

Quantas vezes percebemos mudanças relacionadas ao bem-estar, mas as silenciamos por acreditar que vão se resolver sozinhas? Diferentemente do que se imagina, sinais físicos não são o começo do problema. Quando causados por deficiência nutricionais, eles indicam que algo já vem errado há algum tempo, pois os sintomas não são imediatos. Neste caso, a orientação é procurar um profissional da saúde que possa avaliar o quadro de maneira geral.

Unhas quebradiças e dificuldade de cicatrização são evidências físicas, mas alterações que envolvem a mente também aparecem, como falta de concentração e dificuldade de memorização. A falta de vitamina B12, por exemplo, além de promover fadiga e sensação de cansaço constante, pode implicar em prejuízos na concentração e desencadear sintomas depressivos. Isso porque a falta desse nutriente afeta a produção de serotonina e dopamina, neurotransmissores essenciais para o bom funcionamento do cérebro.

A vitamina B12, encontrada em carnes, ovos, leite e derivados, e nos peixes de água fria, como atum, salmão e truta, participa ainda de funções básicas do organismo, como manter o metabolismo ativo e agir na produção de glóbulos vermelhos no sangue. Além de mexer com essas tarefas essenciais do corpo, sua ausência também pode deixar a respiração dificultada e os ossos mais fracos.

Câimbra é sinal de deficiência de potássio - iStock - iStock
Câimbra é sinal de deficiência de potássio
Imagem: iStock

O que acontece no organismo

Exames como hemograma, ferritina e transferrina conseguem identificar algumas deficiências de nutrientes no corpo, sendo que, para investigar a situação de cada um deles são necessários exames específicos. Por exemplo, o 25-hidroxi-vitamina D é realizado para avaliar o armazenamento de vitamina D, o ácido fólico serve para aferir o nível desta vitamina no sangue e assim por diante. Para entender o que acontece no organismo quando faltam nutrientes específicos, selecionamos alguns exemplos:

Cálcio

É o mineral em maior quantidade no organismo. No entanto, os sinais de deficiência não aparecem facilmente no dia a dia, por isso é importante a realização de exames. A falta de cálcio pode levar à osteopenia (quando o corpo não produz um novo osso tão rapidamente quanto reabsorve o osso antigo) e se desenvolver como osteoporose, além de causar problemas dentários e raquitismo (amolecimento e enfraquecimento dos ossos) na infância.

Ferro

Atua principalmente na fabricação das células vermelhas do sangue e no transporte do oxigênio para todas as células do corpo. Por isso, o principal relato de pessoas com necessidade de reposição de ferro é o cansaço, em especial durante a prática de atividade física. Sua falta pode levar à anemia e, no caso de mulheres, por conta da perda mensal de sangue na menstruação, as chances de deficiência de ferro são ainda maiores.

Zinco

Tem papel essencial nos processos metabólicos do corpo, além de influenciar na resposta imune do organismo, em funções neurológicas e reprodutivas. A deficiência se revela em sinais físicos como diarreias constantes, perda de cabelo acentuada e inflamação na pele, mas também podem aparecer problemas de concentração.

Vitamina D

Por mais que seja chamado de vitamina, esse é um nutriente que o organismo é capaz de produzir, sendo o sol sua principal fonte. Importante para a absorção de cálcio e fósforo, quando apresenta níveis baixos pode resultar em enfraquecimento dos ossos, dificuldade de cicatrização, dor muscular e aumento de peso. A vitamina D está associada à imunidade e resistência, além de ser relevante em tratamentos de doenças inflamatórias e intestinais.

Potássio

O principal sintoma da deficiência de potássio é a câimbra recorrente. Esse é um nutriente que pode ser encontrado no leite e seus derivados, além de carnes, amendoim, frutas e hortaliças como melão, mamão, abacate, cenoura e batata.

Acompanhamento nutricional

Com uma alimentação rica em vitaminas, minerais e equilibrada em proteínas, gorduras de boa qualidade e carboidratos complexos, não há necessidade de realizar nenhum tipo de suplementação, a não ser em caso específicos. São eles: cirurgia bariátrica, alguns tipos de câncer, síndrome do intestino irritável ou anemia provocada por alguma hemorragia, por exemplo.

É essencial, porém, que cada indivíduo seja avaliado individualmente por meio da combinação de uma análise dos sintomas que apresenta e dos exames realizados. Isso vai permitir entender se realmente há uma deficiência ou se os valores apresentados são considerados normais de acordo com a fisiologia da pessoa.

Fontes: Juliana Carvalho de Melo, nutricionista formada pelo Centro Universitário Newton Paiva, com especialização em nutrição clínica pela Universidade Gama Filho, docente da Pós-graduação em Enfermagem Hospitalar e Nutrição Clínica na Faculdade Santa Casa BH, em Belo Horizonte, e credenciada da Premium Saúde; Luíza di Bonifácio, nutricionista formada pela Unesp (Universidade Estadual Paulista), com especialização em fisiologia do exercício pela Ufscar (Universidade Federal de São Carlos), autora do livro "Direcionamento Nutricional para o Triathlon: da Ciência à Prática", pela Literare Books International.