PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

O que pode, ou não, ser reaproveitado na faxina e quais cuidados tomar

iStock
Imagem: iStock

Marcelo Testoni

Colaboração para VivaBem

06/08/2020 04h00

Não pense que porque no rótulo de um determinado produto para limpeza (pano, luva, esponja) está escrito que ele é multiuso que deve ser reaproveitado. Isso significa que é possível usar esse produto para diferentes tipos de limpeza, mas não mais de uma vez ou ao mesmo tempo, saindo da cozinha para higienizar o banheiro ou outros ambientes da casa, por exemplo.

O motivo para não fazer isso é evitar que germes, vírus e bactérias de áreas diferentes se cruzem, multipliquem e contaminem tudo. Em 2015, um estudo espanhol realizado pela FESS (Fundação de Pesquisa para Saúde e Segurança Social) em parceria com a Universidade de Barcelona, constatou que uma pia de cozinha usada com muita frequência pode ter uma capacidade de proliferação de microrganismos 100 mil vezes maior que a de um banheiro.

Acaba sendo um local sujo devido à combinação de umidade com restos de comida que se acumulam sobre o tampo, em esponjas, panos de prato e louças para lavar, por exemplo. Por isso, nessas condições, a pia também não deve ser dividida ao mesmo tempo para tarefas diferentes. "Para que os microrganismos não contaminem os alimentos, guarde o que já está pronto para consumo e depois manipule o que ainda está sujo", orienta Cynthia Jurkiewicz Kunigk, engenheira química e professora do IMT (Instituto Mauá de Tecnologia), em São Caetano (SP).

Para reaproveitar é preciso higiene

Em se tratando da esponja de cozinha, quando usada diariamente para lavar louça, deve ser descartada toda semana. Se antes de jogar fora quiser reutilizá-la para limpar outra coisa, como o forno micro-ondas, saiba que apenas detergente não desinfeta nem remove totalmente dela resíduos orgânicos e restos de comida.

esponja de cozinha, pia - iStock - iStock
Imagem: iStock

É preciso higienizar com uma das três técnicas disponíveis, explica Roberto Martins Figueiredo, biomédico especializado em saúde pública pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) e também conhecido como Doutor Bactéria.

"A primeira é colocar a esponja em água em ponto de fervura e esperar por três minutos. Desligue e está limpa. Outra saída é emergi-la em 1 litro de água com 2 colheres de água sanitária [hipoclorito de sódio] e deixar por 10 minutos. Ou, com a esponja lavada e úmida, enrole-a no papel toalha e coloque no micro-ondas por 2 minutos".

Segundo o Doutor Bactéria, quando não são usadas esponjas com íons de prata, que se autodesinfetam sozinhas, um desses processos deveria ser feito diariamente com os modelos comuns e não apenas visando o reaproveitamento, que para ele não é vantajoso, pois considera as esponjas produtos baratos, de fácil reposição, mas com grande potencial de contaminação.

E quanto aos panos?

Limpeza de piso de madeira; pano de chão - Getty Images - Getty Images
Imagem: Getty Images

Para reaproveitá-los é preciso estarem limpos e secos. Após o uso, lave-os com água e sabão (medida que também serve para as luvas) e se tiverem entrado em contato com o chão, lixo ou banheiro, faça o mesmo, mas depois mergulhe-os em desinfetante doméstico puro por 10 minutos ou então em 1 litro de água com 1 colher de sopa de água sanitária por 15 minutos.

Por fim, enxágue os panos em água corrente e pendure-os para secar, pois se ficarem úmidos sobre a superfície do tanque ou da pia, os microrganismos votam a se multiplicar e os contaminam. Se o pano for higienizado na lavadora, o tambor dela depois também deve ser limpo com um pouco de água sanitária (respeitando as instruções do fabricante) para não contaminar as roupas que virão a seguir, principalmente as de cama, íntimas e toalhas.

Passou por banheiro, cozinha e chão, não use

Itens para limpeza (luvas, escovas, esponjas) jamais devem ser compartilhados entre banheiro e cozinha ou usados de um ambiente para outro, como precisam ser específicos para cada tipo de limpeza, eles devem ser higienizados e guardados separadamente e, para facilitar o uso, diferenciados por cor ou modelo.

Nem os panos de chão são indicados serem os mesmos, pois imagine limpar o piso de um banheiro com respingos de urina e partículas de fezes e depois a cozinha. Da mesma forma, panos de chão usados em áreas externas e cozinha não devem ser reaproveitados depois no banheiro, quartos e sala.

"Do chão, que está exposto a secreções, sujidades e marcas de sapatos, os panos também não podem ir para nenhuma outra superfície. O que é do chão é do chão", orienta Lina Paola Rodrigues, infectologista da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

A médica também lembra que é importante estabelecer uma ordem durante a faxina e que serve para se organizar dentro de cada cômodo. O que limpou o vaso sanitário, por exemplo, não pode depois ser passado em piso, pia, puxador de armários ou saboneteira. "Se for reaproveitar algo, comece primeiro pelas áreas mais limpas e também as altas [como vidros, espelhos, bancadas e maçanetas] e depois as baixas, sujas e exteriores", orienta.

Atenção também às vassouras, que se usadas em quintais e calçadas precisam ser higienizadas para varrer dentro. Não fazer isso é se expor a coliformes fecais, além de vírus e bactérias que são mais nocivos do que os encontrados em casa.

As do tipo piaçava, com cerdas altas e duras, também não são recomendadas, pois lançam do chão para o ar tudo aquilo que já foi citado. Para varrer poeira e outros detritos, dê preferência às vassouras de pelo ou esfregões (mops).

Saúde