PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Remédio para artrite tem bons resultados em pacientes com covid-19

A droga atua em uma das substâncias inflamatórias que o organismo libera diante dessa resposta à infecção pelo coronavírus - iStock
A droga atua em uma das substâncias inflamatórias que o organismo libera diante dessa resposta à infecção pelo coronavírus Imagem: iStock

Do VivaBem, em São Paulo

05/06/2020 15h06

O medicamento tocilizumabe, atualmente utilizado em pacientes com artrite reumatoide, foi associado a uma redução de 45% no risco de morte em pessoas com covid-19 grave, em um estudo divulgado na plataforma Medrxiv na quarta-feira (3).

Até 20% dos pacientes infectados com o novo coronavírus desenvolvem a doença grave, caracterizada por agravamento da falta de ar e necessidade de suplementação oxigênio. Os pacientes podem progredir ainda mais para insuficiência respiratória, síndrome do desconforto respiratório agudo, disfunção de múltiplos órgãos e morte.

A hiperinflamação pode contribuir para essa deterioração, resultando em elevações de várias citocinas pró-inflamatórias, como a IL-6 (interleucina-6). O medicamento tocilizumab age justamente no bloqueio da IL-6, reduzindo a reação à infecção e, consequentemente, a perigosa "tempestade de citocinas".

A pesquisa realizada pela Universidade de Michigan, entretanto, encontra-se apenas em fase de preprint, ou seja, ainda não foi publicada em um periódico científico com revisão por pares.

Além disso, o estudo contém uma grande ressalva. Dos 154 pacientes testados, os 78 que receberam tocilizumabe eram mais jovens, menos propensos a ter doença pulmonar crônica e tinham valores mais baixos de dímero D (preditor significativo da gravidade da doença) no momento da intubação.

No estudo em questão, os médicos sabiam quais pacientes tomaram o medicamento e quais não. Suas escolhas para o grupo que tomaria a droga poderiam ter sido tendenciosas —pessoas com maior probabilidade de melhorar com ou sem o remédio, por exemplo.

Mas os cientistas disseram que, embora houvesse esses "pequenos desequilíbrios", eles utilizam métodos rigorosos para contabilizar dados observacionais desses fatores e propensão ao tratamento.

Segundo eles, os resultados permaneceram consistentes nas análises de sensibilidade em pacientes com diferentes valores de dímero D. Da mesma forma, o efeito protetor associado ao tocilizumabe persistiu quando restrito a várias faixas etárias (dos 60 aos 75 anos).

Entretanto, é importante ressaltar que, embora o recebimento de tocilizumabe foi associado à melhora da sobrevida nos pacientes graves que necessitavam de ventilação mecânica, a droga foi associada ao aumento da incidência de pneumonia bacteriana secundária e infecções da corrente sanguínea nesses indivíduos. A droga "aumentou" as superinfecções de 26% para 54%.

De acordo com os cientistas, isso não parece influenciar negativamente o resultado final. Isso porque as taxas de mortalidade foram semelhantes em pacientes que tomaram o medicamento e tiveram essas infecções ou não. "Mas esse achado destaca a necessidade de ensaios clínicos randomizados para avaliar a eficácia e a segurança de tocilizumabe na covid-19".

Atualmente fabricado pela Roche, o medicamento está inclusive sendo testado por aqui, na Coalizão Covid Brasil. Em entrevista ao programa "Bastidores do Poder", da rádio Bandeirantes, no início de maio, a coordenadora de UTI do Hospital Beneficência Portuguesa, Viviane Cordeiro Veiga, explicou como serão os testes.

"O tratamento será feito em um grupo de 150 pacientes hospitalizados por covid-19 que tenham alterações específicas de saúde, como a alteração na tomografia de tórax, comprometimento pulmonar, alterações de exames laboratoriais que possam sugerir um perfil de maior gravidade", disse.

Veiga ainda salientou que, apesar dos testes, nenhum medicamento ainda tem eficácia comprovada contra o coronavírus. "Hoje não temos nenhuma droga que tenha sua eficácia comprovada com segurança para infecções por coronavírus. Além da hidroxicloroquina, outras drogas têm sido estudadas e a tocilizumabe é uma das drogas que vamos investigar para esse grupo de pacientes".

Saúde