PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Áustria faz 1º transplante de pulmão em paciente com coronavírus da Europa

A ventilação artificial já era insuficiente para a paciente austríaca de 45 anos - 3alexd/iStock
A ventilação artificial já era insuficiente para a paciente austríaca de 45 anos Imagem: 3alexd/iStock

Do UOL, em São Paulo

25/05/2020 10h28Atualizada em 25/05/2020 12h45

A Universidade Médica de Viena, na Áustria, conduziu com sucesso o primeiro transplante de pulmão da Europa em um paciente afetado pela covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

Em comunicado oficial, o centro médico austríaco caracterizou o procedimento como "urgente e altamente complexo". A paciente era uma mulher de 45 anos, do estado da Caríntia, que desenvolveu insuficiência respiratória grave por causa da doença.

"Estamos muito satisfeitos com a condição da paciente, dadas as circunstâncias iniciais extremamente difíceis. Apenas alguns dias após o procedimento, a paciente está no caminho da recuperação", disse Walter Klepetko, líder da equipe responsável pela cirurgia, chefe do departamento de cirurgia e da divisão de cirurgia torácica da Universidade.

A paciente, que não teve o nome revelado, foi diagnosticada com a covid-19 há cerca de oito semanas. Os danos foram tão agressivos que a ventilação artificial passou a ser insuficiente para ela.

Antes da realização da cirurgia, um teste para o novo coronavírus comprovou que as partículas do vírus ainda estavam presentes na paciente, mas não eram mais consideradas infecciosas. Como os outros órgãos da mulher estavam funcionando normalmente, mas não havia chance de seus pulmões se recuperarem, a equipe de especialistas optou pelo transplante.

"O transplante em si ocorreu em circunstâncias extremamente difíceis", contou Klepetko. "Mesmo o transporte dos pulmões e a preparação para a operação ocorreram em condições difíceis, principalmente por causa da logística da covid-19 necessária e das medidas de proteção associadas, as quais tiveram que ser observadas", completou o médico.

Saúde