PUBLICIDADE

Topo

Longevidade

Práticas e atitudes para uma vida longa e saudável


Longevidade

Idoso também joga videogame, e é tratamento de saúde: conheça a gameterapia

iStock
Imagem: iStock

Bruna Alves

Colaboração para VivaBem

01/05/2020 04h00

Encarar um tratamento de fisioterapia é sempre difícil e cansativo, mas necessário. Dentre as diversas funções, a fisioterapia ajuda pacientes com problemas cognitivos (dificuldade no processamento de informações), quem tenha fraturado algum membro do corpo ou até para prevenir doenças.

No entanto, embora seja importante para reabilitação e desenvolvimento, os idosos costumam sair das sessões exaustos. Por isso, há até quem diga que é a pior parte da recuperação.

Mas já imaginou se junto com a fisioterapia convencional, você também pudesse se exercitar e obter bons resultados de reabilitação jogando videogame? É o que propõe a gameterapia, que não substitui a fisioterapia convencional, mas contribui para uma boa recuperação de maneira lúdica e agradável.

Como surgiu?

A gameterapia, como o próprio nome sugere, é um recurso da fisioterapia a base de jogos de videogame. A técnica, que foi desenvolvida em 2006 no Canadá e chegou ao Brasil em meados de 2007, já conta com jogos digitais próprios, criados para funcionar como sensores de movimento, promovendo a reabilitação física e cognitiva.

No Brasil, ela pode ser encontrada, normalmente, apenas em clínicas especializadas ou hospitais de alta referência.

A nova técnica pode ser aplicada em qualquer idade para tratamentos fisioterapêuticos, principalmente nas áreas de neurologia, ortopedia e gerontologia.

Como funciona?

Não tem segredo. Como qualquer jogo de videogame, com a diferença de que esses são escolhidos pelos profissionais, o paciente vai apenas "jogar". Ou seja, ele interage em uma realidade virtual para executar uma função. Entretanto, será uma fisioterapia muito mais prazerosa do que a convencional, concorda?

Durante o jogo, o paciente fará diversos tipos de exercícios, cada um com objetivos diferentes, mas todos simulando movimentos reais, que são capturados pelos sensores.

Na prática, a pessoa vai sentar ou ficar em pé e ser guiado pelos personagens durante o jogo. Todo o processo é controlado e avaliado pelo especialista. Os games de Nintendo Wii e Xbox têm sido bastante utilizados nesse tipo de terapia —que conta com jogos de pingue-pongue, boliche, corda bamba, caminhada e por aí vai.

"A gente consegue ver, através das nossas escalas de avaliação, o que muda depois da terapia feita com os games, que acaba sendo usada como reabilitação de doenças neurológicas", explica Fabíola Albieri, fisioterapeuta especialista em neurologia e geriatria.

Vantagens da técnica

Uma das principais vantagens da gameterapia é o estímulo. Segundo os especialistas, a técnica estimula os idosos a querer praticar os exercícios com maior frequência e a interação com o game pode permitir uma maior mobilidade, já que o foco principal passa a ser jogo, e não a dor em si. Isso traz ao paciente sensações prazerosas que, até então, eram basicamente relacionadas ao esforço.

"Sua grande vantagem é que, através de diversos tipos de jogos é possível propor atividades para recuperar a amplitude de movimento de uma articulação; propor atividades que controlem o movimento em pacientes com doença de Parkinson ou outras doenças que geram distúrbios do movimento, treinar o equilíbrio em idosos, reduzindo o risco de quedas e até mesmo em pacientes com demência", exemplifica Tiago da Silva Alexandre, fisioterapeuta e presidente do departamento de Gerontologia da SBGG (Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia).

Além disso, a gameterapia também vem sendo utilizada na recuperação de pacientes que sofreram fratura de fêmur, nas artroplastias de quadril e joelho e no pós-acidente vascular cerebral (AVC).

Alguns benefícios do tratamento com gameterapia são:

  • Melhora no movimento das articulações e mobilidade;
  • Melhora do equilíbrio corporal;
  • Redução do risco de queda em idosos;
  • Capacidade de prestar atenção em mais de uma coisa ao mesmo tempo (realizar multitarefas);
  • O idoso consegue focar e desenvolver melhor suas atividades rotineiras;
  • Os pacientes ficam mais felizes com esse tipo de fisioterapia e melhoram até mesmo seu humor. Se bem planejada, a técnica, ainda, pode favorecer os exercícios para ganho de força muscular e cardiovascular.

Melhora das funções cognitivas

Em gerontologia, os exercícios de dupla tarefa também ganham destaque. Do ponto de vista cognitivo, o treinamento realizado por meio dos jogos de memória, atenção, raciocínio lógico, tomada de decisão, estratégia e outras habilidades trazem uma 'leveza' ao tratamento.

Idoso jogando palavra cruzada - iStock - iStock
Imagem: iStock

"Você está treinando essas funções cognitivas de uma maneira lúdica. Então, a teoria é que se você fica bom num jogo da memória, você consegue transpor o benefício da memória para sua vida real", destaca Fábio Porto, neurologista do Hospital das Clínicas de São Paulo.

O especialista, afirma, ainda, que o fato de os idosos gostarem do tratamento faz com que eles se esforcem e interajam para fazê-lo da melhor forma, o que nem sempre acontece na fisioterapia convencional.

Na ortopedia, a técnica também tem sido utilizada para trabalhar a força, ganho de movimento e amplitude para o membro voltar ao que era antes, ou se não for possível, melhorar de maneira significativa. Para obter resultados mais satisfatórios, alguns especialistas acrescentam o uso de caneleiras (pesos) durante os jogos.

Não confunda com óculos de realidade virtual

Os especialistas dizem que é comum confundir os óculos de realidade virtual com a técnica, mas não se trata da mesma coisa, embora ambos tenham a tecnologia como base.

"Os óculos te propõem uma realidade 3D, mas não é tão interativo como o videogame, que você se movimenta. Mas ele também é usado, e entra apenas como realidade virtual, não como a gameterapia", afirma Albieri.

E a dificuldade com a tecnologia?

Toda dificuldade pode ser tratada, e com a terceira idade não é diferente. Mas veja bem, isso não quer dizer que todos vão se adequar à tecnologia, mas sim, que todos os que quiserem, e que tiverem as aptidões necessárias, sim, esses podem aderir à gameterapia.

No entanto, Vanessa Tamborelli Frakas, fisioterapeuta do Residencial Club Leger, em São Paulo, ressalta que é necessário que o paciente tenha uma boa visão, audição e um bom cognitivo para entender o objetivo do uso do jogo na terapia, mas isso é avaliado pelo profissional, que deverá escolher o tratamento mais adequado para cada um individualmente.

Contudo, de maneira geral, as plataformas de games são simples, intuitivas e fáceis de serem aprendidas. Além disso, a sessão é acompanhada o tempo todo pelo profissional, que pode ajudar e instruir o paciente —sempre que necessário.

"O que na verdade ocorre é a não-adaptação ao método, devido à pouca familiaridade com os meios digitais, mas isso não deve impedir de se tentar. Existe um grande preconceito com relação a essa população, por conta da crença de que não há uma boa adaptação aos meios digitais ou a aparelhos com alta tecnologia, porém isto é infundado", afirma Natan Chehter, geriatra da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

É importante ressaltar que não se trata apenas de sentar na frente de uma tela e jogar videogame. Existem estudos que apontam a eficácia do método com os jogos certos e a postura do paciente. Logo, se uma pessoa simplesmente jogar, não obterá nenhum resultado satisfatório.

"Há pessoas que têm risco de se machucarem, piorarem a condição física ou de causarem uma lesão quando fazem um movimento errado. Os pacientes não podem fazer movimentos sem auxílio, sem apoio, sem alguém vendo de perto o que está acontecendo", explica Porto.

"Querendo ou não, isso aproxima o idoso da realidade do mundo, porque muitos não estão acostumados com essa interação. O paciente acaba falando que essa realidade virtual aproxima até da família, porque eles jogam com os netos", finaliza Albieri.

Videogame melhora a saúde de idosos

redetv

Longevidade