PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Coronavírus: HC-SP prevê explosão de casos e quer arrecadar R$ 10 milhões

Por iniciativa de médicos, o Hospital das Clínicas lançou campanha privada para arrecadar R$ 10 milhões até dia 2 de abril - Maxpana3/Wikimedia Commons
Por iniciativa de médicos, o Hospital das Clínicas lançou campanha privada para arrecadar R$ 10 milhões até dia 2 de abril Imagem: Maxpana3/Wikimedia Commons

Giulia Granchi

Do VivaBem, em São Paulo

23/03/2020 17h01

A cidade de São Paulo é considerada o epicentro da crise causada pela covid-19, doença causada pelo coronavírus. No HC-FMUSP (Hospital da Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), os profissionais da saúde acompanharam de perto a forma como o número de pacientes cresceu em poucos dias e viram os estoques de EPI (equipamento de proteção individual) baixarem drasticamente.

"Máscaras e aventais são descartáveis e usamos várias vezes ao dia. Pacientes e acompanhantes também precisam vestir por segurança, então o número realmente aumentou muito", conta Vivian Avelino-Silva, médica infectologista do HC.

O hospital estima um crescimento de mais de 400% na demanda dos materiais. Pensando em como impedir que quem circula no hospital fique sem equipamentos de proteção, médicos e profissionais voluntários de outras áreas (como financeira e jurídica) se uniram para criar a campanha #VemPraGuerra, que busca levantar fundos com a contribuição da sociedade civil e tem a meta de conseguir R$ 10 milhões até dia 2 de abril. A equipe conseguiu um acordo com os criadores da plataforma de arrecadação, que pela causa, não cobrarão taxas na transferência do dinheiro.

A ideia surgiu quando Ricardo Vasserman, clínico-geral do hospital, começou a receber mensagens de amigos que não trabalham na área da saúde e queriam saber como ajudar. "Um deles, que tem uma empresa de alimentos, até chegou a oferecer comida. Achei bacana e entrei em contato com o superintendente do hospital para saber como poderíamos juntar forças".

Iniciativa não é relacionada ao governo

Apesar de o HC ser um hospital público, a iniciativa não tem qualquer relação com o governo. De acordo com Gustavo Bezerra, residente de psiquiatria e um dos profissionais que ajudou a idealizar a campanha, o intuito é ter uma ação rápida para não faltar nada quando a crise piorar —o que especialistas esperam que ocorra nas próximas semanas.

"Não podemos ficar em casa pensando se os órgãos públicos vão resolver. Como sociedade, é hora de fazer tudo o que estiver ao nosso alcance", diz Bezerra.

Os profissionais esperam que a iniciativa inspire outros hospitais públicos a fazerem o mesmo. "Sabemos que nosso estado tem mais recursos do que muitos outros no Brasil, então pode ser uma boa ideia para vários hospitais", aponta Vasserman.

A reportagem do VivaBem entrou em contato com a secretaria de saúde do estado de São Paulo e aguarda um posicionamento.

O que o hospital vai comprar com o dinheiro

  • Máscaras cirúrgicas;
  • Máscaras N95 (que possuem filtro);
  • Álcool gel;
  • Aventais e toucas descartáveis;
  • Máquinas de raio-X portáteis (para acompanhar pacientes infectados e evitar a disseminação do vírus pelo hospital).

Além da demanda, preços subiram

Segundo as previsões da diretoria e gestão de suprimentos do HC-FMUSP, em um mês normal são utilizados, em média, 5.700 máscaras N95, 135 mil máscaras cirúrgicas, 1.330 litros de álcool em gel, 15 mil aventais e 105 mil toucas.

O cenário mudou drasticamente após a chegada do coronavírus. Agora, estima-se o uso mensal de 40 mil máscaras N95, 670 mil máscaras cirúrgicas, 6.700 litros de álcool gel, 45 mil aventais e 211 mil toucas.

De acordo com informações da campanha, por conta da alta demanda nacional, os preços também aumentaram desproporcionalmente, criando mais um desafio.

"As máscaras N95 que previamente à crise custavam R$ 1,35 a unidade, atualmente estão custando cerca de R$ 27,90, enquanto as máscaras cirúrgicas aumentaram em média R$ 0,10 por unidade, custando agora R$ 3,90. Além disso, o hospital solicita, emergencialmente, três máquinas de raio-X portáteis, no valor unitário de cerca de R$ 770.000,00", informa o HC.

Saúde