Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Não é só o coração: variação do colesterol afeta saúde sexual e até mental

Em excesso, o colesterol pode levar à formação de placas de gordura nos vasos sanguíneos que causam desde problemas cardíacos até impotência sexual - iStock
Em excesso, o colesterol pode levar à formação de placas de gordura nos vasos sanguíneos que causam desde problemas cardíacos até impotência sexual Imagem: iStock

Thais Szegö

Colaboração para o VivaBem

26/09/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Apesar de geralmente ser associado a problemas cardíacos, o colesterol exerce importantes funções no corpo
  • A variação do nível dessa gordura no organismo para mais ou para menos pode afetar a saúde de diversas formas
  • Além de aumentar o risco de doenças do coração, a taxa elevada da substância pode causar disfunção erétil
  • Já o colesterol abaixo do normal pode provocar falta de libido, depressão e dificultar a produção de vitamina D

Quando falamos de colesterol no sangue, logo vem à mente os riscos que essa gordura oferece ao coração. De fato, quando o nível de LDL (popularmente batizado de "colesterol ruim"), está nas alturas a pessoa tem maior probabilidade de ter um problema cardíaco.

No entanto, o colesterol possui diversas funções no corpo, como participar da produção de algumas hormônios, e sua variação (para mais ou para menos) pode prejudicar o organismo de diversas formas, inclusive na hora do sexo. A seguir, mostramos alguns problemas que podem ocorrer quando a taxa dessa substância está anormal.

1 - Dificuldade de ereção

Para que o pênis fique rígido e permaneça "em pé" durante o sexo, precisa estar cheio de sangue. O LDL alto leva à formação de placas de gordura nas veias e artérias, dificultando a passagem do sangue —daí que ocorre um ataque cardíaco.

"Mas isso pode acontecer também nos vasos que irrigam o órgão sexual masculino, que, aliás, são bem mais finos que os do coração, com cerca de um milímetro de diâmetro. Esse processo pode causar uma disfunção erétil", explica o urologista Emilio Sebe Filho, diretor médico da Clínica Lifemen.

2 - Diminuição da libido

O colesterol alto atrapalha sua transa e o baixo além do normal também. Isso porque a "falta" dessa gordura no organismo pode afetar a produção de progesterona e a testosterona. "Esses hormônios estão relacionados ao desejo sexual, infertilidade, impotência e a piora dos sintomas da andropausa, menopausa e tensão pré-menstrual", explica a endocrinologista Rosália Padovani, médica assistente da disciplina de endocrinologia e metabologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. (Quem assina a newsletter de VivaBem recebeu com exclusividade essa dica. Cadastre-se e receba todas as segundas-feiras dicas importantes para sua saúde)

3 - Problemas na produção da vitamina D

Quando a pele é exposta aos raios UV, o colesterol é utilizado pelo organismo para fabricar a vitamina D, que atua nos ossos, intestino, rins, coração e sistema imunológico, entre outros.

"Diante de taxas reduzidas desse tipo de gordura, o corpo pode ter uma diminuição na concentração dessa vitamina, o que pode ser contornado com suplementação e exposição ao sol", diz a endocrinologista Maria Fernanda Barca, doutora em endocrinologia pela Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) e membro da The Endocrine Society, nos Estados Unidos.

4 - Depressão e ansiedade

Como explicamos, o colesterol é precursor de várias substâncias do nosso organismo, entre elas a serotonina, neurotransmissor responsável pelo humor. "Algumas pesquisas mostram que níveis baixos dessa molécula de gordura no organismo alteram a química cerebral pela supressão ou redução das taxas de serotonina e que quantidades muito baixas de colesterol podem estar relacionadas à depressão que não responde a medicamentos, comportamentos ansiosos, agressivos e suicidas", afirma Padovani.

5 - Diminuição na disposição

A diminuição dos hormônios progesterona, testosterona e DHEA (desidroepiandrosterona) provocada pela queda no colesterol pode levar a menos vigor físico e mental. "Isso também pode estar ligado à diminuição nos níveis de vitamina D", acrescenta Barca.

6 - AVC em mulheres

Por ser um problema cardiovascular, não deve ser surpresa para você que a taxa elevada de colesterol aumenta o risco de AVC (acidente vascular cerebral). No entanto, o nível baixo da substância também está associado a uma maior chance de mulheres terem a doença.

Isso foi o que apontou um estudo recente realizado por pesquisadores do Hospital Brigham and Women's (EUA) com quase 28.000 voluntárias. Na pesquisa, aquelas que tinham LDL muito baixo apresentaram 2,2 vezes mais risco de sofrer AVC do tipo hemorrágico.

Saúde