PUBLICIDADE

Topo

Tudo sobre Hipertensão

Sintomas e tratamentos da doença


Tudo sobre Hipertensão

Bactérias da boca contribuem para redução da pressão arterial pós-exercício

Cientistas descobriram que as bactérias da boca têm influência no controle da pressão arterial - iStock
Cientistas descobriram que as bactérias da boca têm influência no controle da pressão arterial Imagem: iStock

Do VivaBem, em São Paulo

05/09/2019 15h18Atualizada em 22/10/2019 16h43

Os benefícios dos exercícios físicos para a saúde cardiovascular, especialmente no que diz respeito à prevenção da hipertensão arterial, já foram documentados por inúmeras pesquisas.

Agora, um novo estudo descobriu que as bactérias presentes na nossa boca tem um importante papel na redução da pressão arterial proporcionada pela atividade física. O estudo foi publicado no periódico Free Radical Biology and Medicine e realizado por cientistas da Universidade de Plymouth, na Inglaterra, em colaboração com o Centre of Genomic Regulation (Gabaldon's lab) em Barcelona.

De acordo com os autores, os vasos sanguíneos se dilatam durante o exercício físico, melhorando o fluxo sanguíneo para os músculos ativos. Esse processo é ativado pela produção de óxido nítrico. Mas os cientistas ainda tinham dúvida sobre o que fazia veias e artérias continuarem dilatas após o exercício, criando uma resposta do corpo chamada de queda de pressão pós-exercício físico —já que o fluxo sanguíneo diminui em repouso.

Os cientistas então descobriram que o óxido nítrico se transforma em nitrato, que pode ser absorvido pelas glândulas salivares e excretada pela saliva na boca. Aí, algumas bactérias que vivem na flora bucal convertem o nitrato em nitrito. E quando o nitrito da boca é engolido, parte é absorvida e convertida em novamente em óxido nítrico. Isso ajudaria a manter os vasos sanguíneos dilatados, mantendo a pressão arterial baixa após a atividade física.

Como o estudo foi feito?

  • 23 adultos saudáveis, sem problemas de saúde bucais, correram em uma esteira por 30 minutos em duas ocasiões distintas.
  • Após o exercício, eles foram monitorados por cerca de duas horas.
  • Após 30, 60 e 90 minutos de exercício físico, os participantes lavaram a boca com um enxaguante bucal antibacteriano (com 0,2% de clorexidina, que é diferente do que você usa no dia a dia) ou um placebo com sabor de menta. Nem pesquisadores, nem participantes sabiam qual produto cada voluntário estava utilizando.
  • A pressão sanguínea dos participantes foi medida e foram colhidas amostras de sangue e de saliva antes e 120 minutos após o exercício físico.
  • Os participantes que usaram placebo tiveram uma redução de pressão média de 5.2 mmHg uma hora após o exercício físico.
  • Já os participantes que usaram o enxaguante bucal tiveram uma redução média de 2.0 mmHg no mesmo período.
  • Os resultados mostraram que o efeito benéfico do exercício físico na pressão arterial caiu em mais de 60% na primeira hora de recuperação, e foi totalmente eliminado duas horas após a realização da atividade física nos participantes que usaram enxaguante bucal.

Por que isso é importante?

O novo estudo revela a importância que as bactérias presentes na boca têm para a saúde cardiovascular, algo que ainda não era 100% comprovado.

Além disso, estudos anteriores sugeriam que a maior fonte de nitrito no corpo após o exercício físico era aquele formado pelas células endoteliais (vindas do interior dos vasos sanguíneos). No entanto, a pesquisa mostra que os níveis da substância no sangue só subiram quando os participantes usaram o placebo no lugar do enxaguante bucal, indicando que as bactérias da boca são uma fonte chave para a circulação da substância por pelo menos uma hora após a realização de exercícios físicos.

Os cientistas acreditam que o próximo passo é investigar em mais detalhes os efeitos que os exercícios têm na atividade das bactérias da boca, além de analisar a composição desses micro-organismos em pessoas com alto risco cardiovascular para ter mais informações sobre como tratar problemas como hipertensão arterial.

Errata: o texto foi atualizado
O título da notícia, que antes dizia que o enxaguante bucal reduz os benefícios da atividade física, foi alterado pois o foco da pesquisa não era avaliar a interferência do produto no exercício e, sim, a participação das bactérias da boca na diminuição da pressão arterial pós-treino. É importante deixar claro que o enxaguante bucal utilizado no trabalho científico não é igual ao que as pessoas utilizam no dia a dia. O produto é específico para o tratamento de algumas condições, como periodontite, e deve ser utilizado com orientação de um especialista.

Tudo sobre Hipertensão