PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Cientistas encontram relação entre anemia e aumento no risco de demência

A anemia prejudica a distribuição de oxigênio no corpo todo, afetando principalmente músculos, coração e sistema nervoso central - Getty Images
A anemia prejudica a distribuição de oxigênio no corpo todo, afetando principalmente músculos, coração e sistema nervoso central Imagem: Getty Images

Do VivaBem, em São Paulo

03/08/2019 13h03

Uma nova pesquisa descobriu que pessoas com níveis de hemoglobina acima ou abaixo do normal têm um risco maior de desenvolver demência ao envelhecerem, inclusive Alzheimer. O estudo foi publicado no periódico Neurology na quarta-feira (31).

A queda de hemoglobina no sangue é justamente o que caracteriza a anemia, problema comum que acomete 30% da população mundial. "Ao compararmos com as pessoas que não têm anemia, a presença da doença foi associada a um aumento de 34% no risco de todas as causas de demência e a 41% para a doença de Alzheimer", escreveram os autores.

Os pesquisadores também mostraram que indivíduos com anemia tinham 45% mais chances de ter pelo menos uma pequena hemorragia cerebral do que aqueles sem anemia. Essas hemorragias, provavelmente causadas por anormalidades estruturais nos vasos sanguíneos, estão associadas ao declínio cognitivo e à demência.

Como o estudo foi feito

  • Ao todo, eles coletaram dados de 12.305 indivíduos com idade média de 65 anos. Nenhum dos participantes teve demência no início do estudo.

  • Os cientistas verificaram seus níveis de hemoglobina no início do estudo e 6,1% dos participantes (745 pessoas) tinham anemia.

  • Durante o período de acompanhamento, 1.520 desses indivíduos desenvolveram demência.

  • Os cientistas descobriram que as pessoas com altos e baixos níveis de hemoglobina tinham um risco aumentado de demência em comparação com indivíduos com níveis médios.

Cansaço, falta de apetite, tontura, palidez e mãos e pés frios são alguns dos sintomas da condição - iStock
Cansaço, falta de apetite, tontura, palidez e mãos e pés frios são alguns dos sintomas da condição
Imagem: iStock

Qual a relação entre a anemia e a demência?

Os autores explicam que, como a hemoglobina transporta oxigênio pelo corpo, se houver muito pouco, algumas partes do cérebro podem se tornar hipóxias, ou melhor, sem oxigênio. Isso pode produzir inflamação e danificar o cérebro. Além disso, a falta de ferro também pode ser um problema, já que ele é "vital para vários processos celulares no cérebro, incluindo a síntese de neurotransmissores, a função mitocondrial e a mielinização de neurônios", escreveram os pesquisadores.

Quanto aos níveis altos de hemoglobina, a teoria é que eles tornariam o sangue mais viscoso, dificultando sua entrada em vasos sanguíneos menores e reduzindo potencialmente o suprimento de oxigênio.

Seja qual for a explicação para a ligação entre esses níveis e a demência, o estudo não pôde provar uma relação de causa e consequência, já que a anemia pode ocorrer como parte de muitas condições, como a síndrome mielodisplásica ou uma inflamação.

Mas os cientistas acreditam que a pesquisa é um passo importante, uma vez que o crescimento da demência é preocupante e a anemia é uma doença comum.

Como prevenir a anemia

- Procure ter uma alimentação balanceada e variada, rica em frutas, legumes, verduras, cereais integrais, leguminosas, leite, carnes e ovos. Veganos devem ter acompanhamento nutricional para evitar carências de ferro e vitamina B12.

- Ao consumir fontes vegetais de ferro (como feijão e lentilha), consuma junto alguma fonte de vitamina C, como laranja, para otimizar a absorção do mineral.

- Evite o excesso de álcool, que também pode levar à anemia.

- Não exagere no consumo de medicamentos com ácido acetilsalicílico, que podem causar sangramentos gastrointestinais.

- Mulheres com fluxos menstruais intensos devem ter acompanhamento médico periódico para monitorar os níveis de hemoglobina.

Saúde