PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Homem pega infecção no crânio por causa de um cotonete

Melhor tomar cuidado ao usar as hastes de algodão - iStock
Melhor tomar cuidado ao usar as hastes de algodão Imagem: iStock

Gabriela Ingrid

Do UOL VivaBem, em São Paulo

13/03/2019 12h12

Resumo da notícia

  • Homem desenvolveu uma infecção potencialmente fatal após um pedaço do algodão do cotonete ficar dentro de seu ouvido
  • Os médicos suspeitam que o algodão tenha ficado por, no mínimo, cinco anos em seu ouvido até gerar uma infecção bacteriana
  • A recomendação é evitar o uso de cotonetes para fazer a limpeza do ouvido

Um inglês de 31 anos desenvolveu uma infecção potencialmente grave na cabeça após limpar o ouvido com um cotonete. Por mais raro que pareça, o caso, relatado no periódico BMJ Case Reports na quarta-feira (6), chama atenção para os riscos do uso das hastes de algodão.

Os problemas começaram depois de um pouco de algodão do produto ficou preso dentro do canal auditivo do paciente. O material causou uma grave infecção bacteriana que começou em seu canal auditivo, progrediu até o osso na base do crânio e subiu para o interior do cérebro, as meninges, de acordo o principal autor do caso Alexander Charlton, membro da equipe de especialistas em ouvido, nariz e garganta envolvidos no tratamento do paciente no University Hospital Coventry, na Inglaterra.

Os sintomas começaram leves. Ele sentiu dores na orelha esquerda e no lado esquerdo da cabeça. Entretanto, a força do incômodo começou a piorar, levando-o a vomitar. Além disso, ele começou a ter problemas para lembrar das pessoas.

Dez dias depois dos primeiros sinais de que algo estava errado, o inglês foi levado às pressas para a sala de emergência depois de sofrer uma convulsão e entrar em colapso, segundo o relato do caso. Em uma entrevista ao site Live Science, Charlton disse que suspeita que tanto as toxinas da infecção bacteriana quanto a pressão no cérebro causaram a convulsão.

Quando ele chegou ao hospital, os médicos realizaram uma tomografia computadorizada para examinar seu cérebro. Os resultados do exame revelaram duas áreas inflamadas e com pus nos ossos da base do crânio, adjacentes ao canal do ouvido esquerdo. Segundo os especialistas, isso mostrou que, embora a infecção possa ter começado dentro do canal auditivo do homem, ela se espalhou para além dessa área.

Acima, uma varredura do cérebro do paciente mostrando dois abscessos (marcados com setas) no revestimento do cérebro - BMJ Case Reports - BMJ Case Reports
Acima, uma varredura do cérebro do paciente mostrando dois abscessos (marcados com setas) no revestimento do cérebro
Imagem: BMJ Case Reports

O diagnóstico foi de "otite externa necrosante", uma infecção no tecido mole do canal auditivo externo. Uma pequena cirurgia foi feita para que a ponta do cotonete fosse removida. O algodão já estava coberto de cera e detritos, sugerindo que estava lá há algum tempo. Segundo Charlton, o tempo que ele ficou no ouvido do paciente contribuiu para que o homem tivesse infecções auditivas recorrentes ao longo dos anos, culminando no episódio particularmente grave.

Segundo o paciente, ele havia sentido dores na orelha esquerda e perda de audição nos últimos cinco anos e havia sido tratado duas vezes para infecções graves de ouvido no mesmo lado. Sim, o algodão deve ter ficado em sua orelha por, no mínimo, todos esses anos.

Ele ainda ficou uma semana internado no hospital e tomou antibióticos intravenosos e orais por dois meses para tratar a infecção. Felizmente, o relato do caso alega que o paciente não teve problemas auditivos ou de raciocínio a longo prazo.

A recomendação depois do fim do tratamento? Nunca mais usar cotonetes de algodão. "Eles só podem causar problemas", escreveu Charlton.

O otorrinolaringologista Andy Vicente, do Hospital Cema, especializado em olhos, ouvidos, nariz e garganta, de São Paulo, diz que infecções causadas pelas hastes como a do paciente inglês são muito raras. "Mas o cotonete deve realmente ser evitado, uma vez que ele age contra a fisiologia natural do ouvido".

A cera funciona como uma proteção para o ouvido. Ela bloqueia a entrada de bactérias que podem causar infecções. Conforme o ouvido a produz, ele empurra as impurezas para fora do corpo e, portanto, trazê-la de volta para dentro com a ajuda de um cotonete atrapalharia todo esse processo.

De acordo com Ricardo Dolci*, otorrinolaringologista professor da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, o ouvido é como se fosse uma espiral, que vai jogando o excesso de cera para fora do organismo. Quando colocamos hastes com algodão para fazer limpeza, podemos acabar empurrando a cera para a parte mais interna do ouvido, acumulando-a justamente onde é produzida.

O médico ainda compara o ouvido à boca: ele está cheio de bactérias boas e ruins. "Se você fizer gargarejo todo dia, acaba eliminando as bactérias benéficas para o organismo e facilita infecções. Tirar a cera do ouvido é a mesma coisa. Você elimina toda a proteção do corpo e ainda pode se machucar fazendo isso", diz Dolci.

Ouvido; cera - iStock - iStock
Limpar o ouvido com hastes de algodão pode causar zumbidos, dores, infecções e até perfurações da membrana timpânica
Imagem: iStock

"Isso piora a audição, causa zumbidos, dores e, se você machucar seu ouvido, pode causar até infecções. Sem falar nas possíveis perfurações da membrana timpânica", explica o especialista.

O ideal é não tirar a cera. "Tomou banho? Enrole a toalha no dedo e só passe na parte externa do ouvido", recomenda Dolci. Claro, existem pessoas que produzem grandes quantidades de cera e têm que ir ao consultório a cada seis meses para fazer a limpeza. Mas, acredite, você vai saber se é uma dessas pessoas.

Portanto, da próxima vez que for tirar aquela coisa amarela que você acha nojenta de seu ouvido, lembre-se que você está deixando entrar coisas ainda mais grotescas em seu corpo.

*Fonte consultada em matéria do dia 02/12/017.

Não use o cotonete! Jeito certo de limpar o ouvido é "com o cotovelo"

UOL Notícias

Siga o VivaBem nas redes sociais
Facebook - Instagram -
Youtube

Saúde