Topo

Alimentação

Ideias e informações para você comer melhor


Alimentação

Ingerir mais proteína após a perda de peso pode reduzir gordura no fígado

monkeybusinessimages/Istock
Imagem: monkeybusinessimages/Istock

Do VivaBem, em São Paulo

18/08/2018 11h43

Aumentar a quantidade de proteína na dieta pode reduzir o teor de gordura do fígado e diminuir o risco de diabetes em pessoas com doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA), de acordo com um estudo publicado no periódico American Journal of Physiology.

A doença ocorre quando mais de cinco por cento do peso total do fígado é composto de tecido adiposo. Pessoas com a condição têm maior risco de câncer de fígado ou insuficiência hepática.

Além disso, os pacientes são mais propensos a desenvolver diabetes tipo 2, e vice-versa (estima-se que 70% das pessoas com diabetes tipo 2 também tenham a doença que acomete o fígado).

Veja também:

Pesquisas anteriores descobriram que a suplementação proteica em curto prazo ajuda a reduzir o teor de gordura no fígado, mas há poucos estudos sobre os efeitos a longo prazo.

O estudo foi realizado durante dois anos por cientistas da American Physiologial Society para determinar o impacto a longo prazo da proteína da dieta em um fígado gordo após a perda de peso. Esta análise fez parte de uma série de testes que visam identificar o padrão de estilo de vida mais eficiente para a prevenção do diabetes tipo 2 em indivíduos com sobrepeso, obesidade ou pré-diabéticos.

Na pesquisa, 25 voluntários adultos --15 dos quais tinham sido previamente diagnosticados com a patologia -- participaram de uma dieta de baixa caloria durante oito semanas para perder até oito por cento do seu peso corporal.

Após o emagrecimento, eles foram orientados a manter o seu peso durante dois anos e a seguir uma dieta proteica moderada ou alta com uma média de 0,8 a 1 grama de proteína por quilograma de peso corporal.

A equipe coletou amostras de sangue e urina e realizou exames para avaliar a quantidade de gordura no fígado e a quantidade de proteína eliminada dos corpos dos voluntários em três intervalos: o início da fase de manutenção do peso, seis meses depois e após dois anos.

No fim do experimento, o aumento na proteína da dieta foi associado à redução da gordura no fígado dos voluntários. Além disso, mais da metade dos participantes que foram previamente diagnosticados com DHGNA não possuíam mais a doença.

"Estes resultados enfatizam as implicações clínicas e potenciais benefícios do aumento da ingestão de proteínas após a perda de peso para pessoas com DHGNA em risco de desenvolver diabetes", afirmam os pesquisadores.

VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook • Instagram • YouTube

Mais Alimentação