PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Por que sentar por muito tempo pode ser ruim para o cérebro

ArisSu/Istock
Imagem: ArisSu/Istock

Do VivaBem, em São Paulo

17/08/2018 13h01

É difícil encontrar alguém que não passe horas sentado, seja diante de uma tela de computador ou no sofá, assistindo às séries favoritas.

Mas, apesar de ser parte da rotina, o hábito pode causar danos à saúde.

Veja também:

De acordo com uma nova pesquisa publicada no Journal of Applied Physiology, o período sem movimento retarda fluxo sanguíneo vital para o cérebro --criando potenciais consequências para o bem-estar a longo prazo.

Especificamente, a diminuição do fluxo pode afetar a função cognitiva e aumenta a probabilidade de doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer. Mas os pesquisadores também chegaram à uma conclusão positiva: caminhar por apenas 2 minutos a cada meia hora pode compensar os danos, restaurando a circulação saudável.

Cientistas da Universidade John Moores, em Liverpool (Inglaterra), analisaram os hábitos de 15 colegas de trabalho em três sessões separadas. Durante cada teste, eles usaram sondas de ultrassom que rastrearam o fluxo sanguíneo através de artérias cerebrais médias, que vão diretamente para o cérebro.

Na primeira sessão, os voluntários passaram quatro horas sentados, com exceção de breves intervalos no banheiro. Na segunda, eles realizaram, a cada meia hora, dois minutos de caminhada rápida nas esteiras. Na terceira sessão, eles caminharam por oito minutos a cada duas horas.

O fluxo sanguíneo diminuiu durante a primeira e a última sessão --quando a atividade era mínima ou a cada duas horas --, mas aumentou consideravelmente quando os participantes estavam ativos regularmente.

Sophie Carter, aluna de doutorado que liderou o estudo, disse que as descobertas reafirmam a necessidade de intervalos curtos, mas regulares. "Apenas os frequentes intervalos de caminhada de dois minutos tiveram um efeito geral de evitar um declínio no fluxo sanguíneo cerebral", afirma.

Siga o VivaBem nas redes sociais
Facebook • Instagram • Youtube

Saúde