PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Depressão crônica pode causar até inflamações no cérebro

Depressão pode causar danos físicos ao cérebro - iStock
Depressão pode causar danos físicos ao cérebro Imagem: iStock

Do VivaBem

28/02/2018 15h05

Além dos já conhecidos sintomas psicológicos, a depressão também causa danos físicos ao cérebro. Estudos anteriores já mostraram que ela pode levar à diminuição do hipocampo, região do cérebro responsável pela memória. No entanto, uma nova pesquisa publicada no periódico The Lancet Psychiatry descobriu que, quando não tratada, a doença pode inflamar o cérebro.

Para o estudo, os pesquisadores do Toronto's Centre for Addiction and Mental Health, no Canadá, mediram a proteína translocadora (TSPO) no cérebro dos voluntários por meio de um exame parecido com uma tomografia.

Veja também:

A TSPO é produzida pelas células micróglias, responsáveis por controlar o sistema imunológico do cérebro. Mas quando sua atividade é exagerada, pode causar inflamação excessiva do órgão, associada a doenças neurodegenerativas e à depressão.

"A maior inflamação no cérebro é uma resposta comum a doenças cerebrais degenerativas à medida que elas progridem, como a doença de Alzheimer e a doença de Parkinson", explicou Jeff Meyer, autor principal do estudo. Então, quanto mais TSPO houver no cérebro, mais micróglias, mais inflamação.

Ao todo, oitenta pessoas participaram do estudo, das quais 25 tinham histórico de depressão de dez anos ou mais; 25 tinham a doença por nove anos ou menos, e 30 delas não tinham depressão.

Nos resultados, os dois grupos com a doença tinham mais níveis de TSPO do que os participantes que não tinham depressão. No entanto, os participantes com a doença há, no mínimo, 10 anos tinham 30% mais inflamação no cérebro do que o grupo que sofria com a depressão há menos tempo.

Segundo os cientistas, os resultados mostram que medicamentos anti-inflamatórios podem ajudar pacientes com depressão crônica. Agora, Meyer e sua equipe estão investigando opções de tratamento para esses casos. Mas novos estudos são necessários para atender corretamente esses indivíduos com a doença persistente.

SIGA O VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook: https://www.facebook.com/VivaBemUOL/
Instagram: https://www.instagram.com/vivabemuol/
Inscreva-se no nosso canal no YouTube: http://goo.gl/TXjFAy

Saúde