Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Cientistas descobrem como parasita mortal passou de gorilas para humanos

Tipo letal de parasita que causa malária presente em gorilas acabou migrando para outras espécies até atingir humanos - Getty Images
Tipo letal de parasita que causa malária presente em gorilas acabou migrando para outras espécies até atingir humanos Imagem: Getty Images

16/10/2019 08h16

Uma rara sequência de eventos permitiu que um tipo mortal de malária em gorilas "pulasse" para outras espécies e atacasse os humanos.

Centenas de milhares de pessoas morrem todos os anos em decorrência da malária, e o tipo pesquisado pelos estudiosos (Plasmodium falciparum) é responsável pela maioria dos casos.

Grandes primatas africanos foram os hospedeiros originais do parasita.

Mas os cientistas descobriram que uma mutação genética ocorrida 50 mil anos atrás se transformou em uma ameaça aos humanos.

Picadas de mosquitos

Os achados, divulgados na publicação PLoS Biology, poderão ajudar o desenvolvimento de novas maneiras de combater a malária, afirma o Instituto Wellcome Sanger.

A malária é causada por um parasita que entra na corrente sanguínea depois da picada de um mosquito infectado em um humano ou em outros animais.

Há diversas cepas do parasita, e um dos mais releventes, que afeta apenas humanos, é o Plasmodium falciparum.

Ela mudou de hospedeiros na mesma época da primeira migração de humanos para fora da África, entre 40 mil e 60 mil anos atrás.

Os pesquisadores analisaram as mudanças genéticas de diferentes tipos ancestrais do parasita, focando em particular o gene chamado rh5 ? um peça vital do código do DNA que permite à malária infectar hemácias humanas.

Esse alvo é importante para os profissionais de saúde que atuam no desenvolvimento de vacinas contra a malária.

Pesquisadores acreditam que há milhares de anos dois tipos de malária co-infectaram um gorila e trocaram material genético entre si.

O Plasmodium falciparum absorveu o gene rh5. "Este raro evento levou a muitas mortes de humanos", afirmou o pesquisador que liderou o estudo, Gavin Wright.

"O rh5 é atualmente um importante candidato para uma vacina contra a malária. Então, se tivermos mais informações sobre esse gene, isso pode ajudar o combate à doença."

Para ele, teoricamente há poucas chances de novas mutações em breve.

Quase metade da população mundial vive sob risco de malária. A maioria dos casos registrados e das mortes são com crianças da África Subsaariana, causada pelo Plasmodium falciparum.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Saúde