PUBLICIDADE

Topo

Chá de erva-doce ameniza cólicas e alivia tosse; saiba tudo sobre a bebida

Chá de erva-doce: veja benefícios da bebida, para que serve e como fazer - Getty Images/iStockphoto
Chá de erva-doce: veja benefícios da bebida, para que serve e como fazer Imagem: Getty Images/iStockphoto

Diana Cortez

Colaboração para VivaBem

18/01/2022 04h00

Não é à toa que a erva-doce (Pimpinella anisum) é popularmente consumida como chá depois das refeições. Essa planta, que tem os mesmos princípios ativos do anis e do funcho, realmente apresenta benefícios comprovados para promover melhor digestão e aliviar problemas gastrointestinais.

A seguir, conheça mais sobre a erva-doce —também conhecida como anis-verde e pimpinela-branca—, que possui aroma intenso e sabor adocicado.

Chá de erva-doce: para que serve e mais

Para que serve o chá de erva-doce?

A erva-doce, rica em óleo essencial, tem como uma de suas principais substâncias o anetol —composto que também está presente no funcho e no anis-estrelado-­-, responsável pelo aroma e sabor característicos.

Segundo o Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira, formulado por um comitê da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o anetol auxilia no tratamento problemas gastrointestinais leves, como distensão abdominal, cólicas e flatulência.

"Isso porque possui propriedades antiespasmódicas que promovem o relaxamento da musculatura lisa, melhorando a digestão e diminuindo os movimentos peristálticos do intestino que produzem os gases", explica Leopoldo Baratto, professor adjunto da Faculdade de Farmácia, Departamento de Produtos Naturais e Alimentos, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), e atual vice-presidente da Sociedade Brasileira de Farmacognosia.

Dessa maneira, a planta ainda pode ajudar nos quadros de cólicas menstruais e auxiliar no alívio da tosse e na expectoração em resfriados.

"O ácido málico, também presente na composição, contribui para a melhora da acidez do estômago, favorecendo a digestão e ajudando uma melhor absorção de nutrientes. A planta ainda ajuda a aliviar a retenção de líquido, por conter potássio, melhorando os inchaços", acrescenta Roseli Rossi, nutricionista especialista em nutrição clínica e fitoterapia aplicada à nutrição funcional, e diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional.

Como fazer o chá de erva-doce?

Apesar de a maioria das pessoas achar que se trata da semente da erva-doce, na verdade, aquelas pequenas estruturas são os frutos da planta, sendo que a maneira correta de preparar é realizando a infusão. Esse processo consiste em despejar a água fervente sobre a erva-doce em uma xícara, tampar por cerca de 10 minutos para não haver perda de óleo essencial, e então coar para consumi-lo.

"Não se deve deixar a planta fervendo na água. Isso é usado para as partes mais duras, como casca e sementes", esclarece Baratto.

Quanto tomar por dia?

Por se tratar de uma planta medicinal, não se deve fazer uso contínuo, somente quando houver necessidade, sendo que a recomendação é de 1 a 3,5 gramas de erva-doce —cerca de uma a duas colheres (de sopa)— por 150 ml de água. Nesses casos, o chá poderia ser consumido até três vezes no dia.

Qual o melhor horário para tomar chá de erva-doce?

O chá é indicado para consumir após as refeições, quando a pessoa apresenta problemas gastrointestinais. Caso o paciente queira aproveitar as propriedades expectorantes, pode consumi-lo a qualquer momento do dia, desde que tenha um intervalo de algumas horas entre as três doses.

Chá de erva-doce acalma?

Estudos realizados em animais apontam um potencial efeito ansiolítico e antidepressivo. No entanto, seria necessário realizar estudos em humanos para confirmar essa hipótese. "Provavelmente, a ação de substâncias da composição e a presença de magnésio geram esse efeito calmante", comenta Rossi.

Grávidas podem tomar chá de erva-doce?

Não. Existem evidências científicas em estudos com animais de que as substâncias presentes na erva-doce podem ter efeito abortivo. Por isso, não é indicada para gestantes, assim como qualquer outra infusão. "Por uma questão ética, não existem estudos nas grávidas nem nas lactantes, impossibilitando saber a segurança para essas mulheres", diz Baratto.

Quais os efeitos colaterais que o chá de erva-doce pode oferecer?

Caso o paciente seja sensível a alguma substância presente na planta, poderá desenvolver reações alérgicas (respiratórias e até gastrointestinais) após o consumo.

Quais outras contraindicações do chá de erva-doce?

Além das grávidas e lactantes, o chá de erva-doce também não é indicado para menores de 12 anos, conforme orientações do Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira. Isso porque existem relatos de toxidades do anetol em crianças, que apresentaram movimentos dos olhos atípicos, espasmos, falta de apetite e choro contínuo.

Daí a importância de consultar um médico ou nutricionista especializado em fitoterapia para receber orientações corretas, evitando colocar a saúde da criança em risco.

A erva-doce possui ainda cumarina, substância conhecida por seu efeito anticoagulante, por isso não é indicada para pessoas que fazem uso de medicamentos com a mesma ação, uma vez que pode potencializar seu efeito. "E pacientes com quadro de hiperestrogenismo —condição cujos níveis de estrogênio no organismo estão acima do normal— não devem ter indicação desse chá", alerta Rossi.

O chá de erva-doce pode ajudar quem tem diabetes?

Não existe nenhuma evidência científica de que o chá de erva-doce poderia oferecer benefícios aos pacientes com diabetes.

Chá de erva-doce pode ser consumido por hipertensos?

Sim. Não há contraindicação para esses pacientes, uma vez que não interfere na pressão arterial.

Chá de erva-doce oferece benefícios para mulheres na menopausa?

Apesar de ainda não haver pesquisas conclusivas, o anetol presente na erva-doce também teria a propriedade de mimetizar o hormônio feminino (estrogênio), contribuindo para a melhora dos sintomas desse período da vida da mulher. "Isso acontece devido à presença de fitoesterois específicos na substância que agiriam modulando o hormônio, aliviando também os sintomas da TPM nas mais jovens", comenta Rossi.

Chá de erva-doce emagrece?

Não existe nenhuma evidência na literatura científica que indique propriedades da erva-doce que contribuam para o emagrecimento.