PUBLICIDADE

Topo

Gustavo Cabral

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Teremos mais uma onda da covid-19 no Brasil ou controlaremos a doença?

Getty Images
Imagem: Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Gustavo Cabral

Gustavo Cabral é imunologista PhD pela USP (Universidade de São Paulo), pós-doutorado pela Universidade de Oxford (Inglaterra) e pela Universidade de Berna (Suíça), e pesquisador da USP/Fapesp

Colunista do VivaBem

06/07/2021 04h00

Esta pandemia tem deixado a população bastante confusa em relação a diversos assuntos, principalmente pela falta de um programa nacional de orientação social.

Por causa disso, muitos cientistas, como eu, têm atuado para além dos trabalhos de desenvolvimento científico no país e estão produzindo conteúdos em texto ou participando de diversos programas de rádio, TV e internet, na tentativa de esclarecer questões de saúde pública —inclusive, criei um programa chamado Ciência e Sociedade com o grupo do Eduardo Moreira e do Instituto Conhecimento Liberta.

Em minhas conversas com diversos especialistas na área da ciência, saúde, educação e sociedade, uma questão que começou a surgir é se enfrentaremos uma quarta onda de covid-19 no Brasil. Parece loucura ou falta de esperança falar de quarta onda se nem saímos da segunda? Respondo que infelizmente não! Pois a terceira onda de mortes já está garantida pela covid-19, mesmo que não seja a doença que provoque isso. Ficou confuso? Vou explicar...

Se conseguirmos controlar a pandemia agora (assim esperamos e lutamos), teremos a "garantia" de uma terceira onda provocada por outras doenças, devido à desassistência dada a outras necessidades, pois o diagnóstico e tratamento de quase todos os outros problemas estão reprimidos, porque os leitos dos hospitais estão ocupados com pacientes de covid-19.

Dessa forma, caro leitor, pode perguntar, mas o sistema de saúde não foi organizado para dar assistência a casos de urgências?! Vou responder com outra pergunta: e os casos que não são "urgências" e estão sendo adiados por falta de condições, quando serão atendidos? Sabem quando? Quando se tornarem urgências! Ou seja, isso está se tornando uma bola de neve tenebrosa. E essa "onda" vai surgir após a pandemia, pode ter certeza disso!

E, se tivermos uma terceira onda da covid-19, pode acontecer que seja pior do que a primeira e a segunda. Assim, isso vai provocar, no mínimo, uma quarta onda dos casos acumulados de outras doenças desassistidas, como já expliquei.

Dessa forma, ou nos unimos socialmente em prol do país e contra o vírus, ou teremos mais alguns anos de terríveis sofrimentos. E o povo não aguenta mais isso! Apesar de não acreditar que com o presidente que temos a gente consiga ter essa união, eu acredito demais que o povo seja capaz de enxergar e sentir a dor do outro. Portanto, devemos apoiar a vacinação em massa, assim como manter o distanciamento social e o uso contínuo de máscara em locais públicos, mesmo depois de vacinados.

Para que ninguém deixe de usar máscara, precisamos repetir sempre isso: as vacinas protegem as pessoas de desenvolverem a covid-19 em estado grave e moderado, ou seja, evitam que a gente morra. No entanto, mesmo vacinado, a gente pode pegar o vírus e não adoecer gravemente porque a vacina impede que a carga viral fique alta em nosso corpo, mas mesmo com uma carga viral baixa a gente pode passar para outras pessoas. E passar o vírus muitas vezes pode ser passar a morte para o nosso semelhante! Ou agimos para proteger a nós e aos outros ou todos sofreremos por mais um longo período!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL