PUBLICIDADE

Topo

Elânia Francisca

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

O banheiro da escola é espaço de vivências e convivências de adolescentes?

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Elânia Francisca

Elânia Francisca é psicóloga, especialista em gênero e sexualidade e mestra em educação sexual. Realiza atividades educativas, consultoria e supervisão nas temáticas de gênero, sexualidade e direitos sexuais e reprodutivos.

Colunista do UOL

06/05/2022 04h00

Quando eu era adolescente, havia uma lenda urbana que assombrava todas as pessoas que estudavam comigo.

Dizia a lenda que uma profissional da faxina ficou trancada no banheiro da escola no último dia de aula e permaneceu lá durante todo o período de férias. Quando as aulas retornaram, ela foi encontrada morta em decorrência da fome e sede que passou nos 30 dias de recesso escolar. Desde então, segundo essa história, o banheiro da escola passou a ser assombrado pela figura da famigerada Loira do Banheiro.

Eu já escutei várias versões da história dessa lenda e também já aprendi várias formas de fazer a Loira do Banheiro aparecer, mas essa é outra história. O caso é que, durante meu percurso escolar como estudante, raramente eu ia ao banheiro sozinha, com medo de encontrar a Loira lá dentro.

Estar no banheiro, quase sempre acompanhada, me permitiu vivenciar muitas experiências interessantes e hoje percebo o quanto isso me ensinou a olhar para o banheiro escolar como um espaço de vivências e convivências onde os temas relacionados à sexualidade aparecem implícita e explicitamente.

Em quase 12 anos de experiência como educadora em sexualidade, tenho frequentado muitas escolas e, mesmo sendo incentivada a usar o banheiro das professoras, eu gosto de conhecer os banheiros usados por adolescentes. Devido a uma divisão binária de gênero, eu só acesso os banheiros femininos e o que sei dos masculinos está baseado na experiência de homens cisgênero que são colegas de profissão e também de adolescentes meninos que compartilham suas vivências nesse espaço.

Nos banheiros frequentados por adolescentes nas escolas por onde passei, observo muitos elementos que trazem questões importantes relacionadas à sexualidade. Os afetos e sentimentos gerados na convivência aparecem inscritos nas paredes. Nomes dentro de corações indicam apaixonamentos; xingamentos mostrando que a violência e ameaça são utilizadas como forma de resolução de conflitos.

Certa vez questionei a ausência de papel higiênico e espelhos em alguns banheiros escolares e algumas respostas estavam relacionadas à interpretação de que falta respeito por parte de adolescentes com esses materiais: "Se deixar papel aí, eles molham tudo e quebram os espelhos".

Eu entendo que seja muito frustrante preparar um ambiente com zelo e vê-lo sendo usado sem asseio e cuidado, mas ser educadora é também lidar com nossas frustrações e novamente apostar na educação como ferramenta de reflexão. Colocar papel e espelhos no banheiro pode ser uma ótima oportunidade para dialogar sobre autocuidado e responsabilidade com o cuidado coletivo.

Repito: entendo que seja frustrante! Mas não podemos negar a disponibilização de papel higiênico nos banheiros escolares, afinal limpar e secar a genitália após urinar ou defecar é uma questão de saúde.

Não quero trazer somente exemplos de situações complicadas com relação ao banheiro escolar e sexualidade, então vou lhes contar que também vejo a mobilização de meninas para criar caixinhas com absorventes menstruais e kits de autocuidado no banheiro que frequentam.

Vejo frases como "você é linda", "seu dia será ótimo", "essa dor vai passar", "você não está sozinha", e isso mostra empatia e reconhecimento das dificuldades que a adolescência pode trazer.

Com esse breve texto quero apenas mostrar que o banheiro escolar não é só um espaço para se realizar necessidades fisiológicas, mas também um espaço de vivência, convivência e, em alguns momentos, um refúgio para adolescentes.

Para pensar sobre banheiros escolares e adolescência, sugiro que assista ao clipe da música Colégio, do cantor Rubel.