Topo

Direitos da mulher


Brasil e Argentina se unem para frear movimento pela legalização do aborto

Heloísa Barrense/UOL
Imagem: Heloísa Barrense/UOL

Márcio Resende

Da RFI, em Buenos Aires

30/05/2019 20h18

A ministra brasileira da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, chegou nesta quinta-feira (30) na Argentina com o propósito de estreitar os contatos com os grupos pró-vida e antiaborto no país e criar políticas públicas regionais em conjunto. A visita ocorre na mesma semana em que o movimento feminista argentino, referência na América Latina, entrou com um novo projeto de Lei no Congresso pelo direito a essa prática.

A visita da ministra Damares Alves à Argentina para a Reunião de Altas Autoridades de Direitos Humanos do Mercosul (RAADH) coincidiu com mais um capítulo da chamada "onda verde", cor do movimento pelo direito ao aborto que, na terça-feira (28), entrou com um novo projeto de Lei pela interrupção voluntária da gravidez, depois de o tema ter sido aprovado pela Câmara de Deputados da Argentina em 14 de junho passado e rejeitado pelo Senado em 8 de agosto.

Esse avanço do movimento feminista a favor do direito ao aborto foi contra-atacado com uma reação dos militantes pró-vida, caracterizados pela cor azul celeste. Assim que aterrissou nesta quinta-feira em Buenos Aires, Damares Alves veio diretamente ao Congresso argentino reunir-se com os legisladores conservadores.

"É uma coincidência eu estar aqui nesta semana. Nós, pró-vida, acreditamos que, no continente, precisamos estar mais juntos porque entendemos que o aborto não é solução para nenhum problema. Como pró-vida, poderemos apresentar sugestões de políticas públicas de planejamento familiar", defendeu a ministra.

Para Damares Alves, Brasil e Argentina devem "valorizar a vida". "Gostaríamos que as nossas nações defendessem as duas vidas, a da mãe e a do bebê", apontou. Embora ressalte que não usa o cargo de ministra para fazer militantismo contra ou a favor do direito ao aborto e que o Executivo tem o cuidado de respeitar a independência do Legislativo e do Judiciário, a ministra se reconhece como uma "ativista pró-vida".

"Governo Bolsonaro defende a vida"

Indagada pela RFI se Brasil e Argentina partirão para uma luta conjunta para frear o crescimento dos movimentos pelo acesso ao aborto, Damares Alves disse que a luta pró-vida entre os dois países já é grande. "Nós estamos unidos há muito tempo e um se inspira no outro. Este governo [Bolsonaro] defende a vida desde a concepção. Esta é a posição oficial do Brasil. Esta é a posição do presidente: um Brasil pró-vida, pró-família, isso foi discurso de campanha dele e está acontecendo", disse Damares, arrancando aplausos dos demais legisladores argentinos presentes.

"Vejo que, na Argentina, a adesão popular nas ruas tem sido maior do que no Brasil. A nossa marcha nacional contra o aborto está muito longe da marcha nacional que eles fazem aqui", ressalta Damares. "Mas, por outro lado, vejo uma militância brasileira muito forte nas redes sociais no Brasil. Então, talvez onde sejamos fortes, a Argentina não seja tão forte. E onde a Argentina é mais forte, nos movimentos de rua contra o aborto, nós ainda não somos", ponderou.

A deputada argentina, Cornelia Smith, presidente da comissão de Relações Exteriores da Câmara de Deputados, integrante do movimento pró-vida, explicou à RFI que "Brasil e Argentina procuram uma política regional que defenda os direitos humanos a partir da concepção". Segundo Smith, essa união regional quer contrabalancear o crescimento do movimento pró-aborto.

"A luta pelo aborto despertou nas pessoas a necessidade de sair também para defender a vida. Este é um primeiro encontro para criarmos um movimento de união regional. Na cidade de Buenos Aires, é muito difícil contra-atacar a onda verde. Falta-nos um marketing que permita aos jovens abraçar a causa pela vida. No interior, há uma essência pró-vida", afirmou Cornelia Smith. "No Brasil, chegamos onde chegamos a partir da força dos jovens com as novas tecnologias. Estamos levando esse debate pela vida adiante", concluiu Damares Alves.