Contra projeto de lei, chef agita casamento coletivo gay: 'celebrar o amor'

"Para reafirmar uma posição inegociável em defesa dos direitos humanos, resolvemos fazer um evento público para celebrar o amor em suas múltiplas formas", é a assim que a chef Carmem Virgínia apresenta a oportunidade para 13 casais formados por pessoas negras ou interraciais e LGBTQIAP+

Eles serão selecionados para celebrar gratuitamente o amor num casamento coletivo em 18 de dezembro, no restaurante de Dona Carmem, o Altar de São Paulo (Vila Madalena). Os casais interessados precisam se inscrever até esta terça (31) por meio do formulário.

O momento não é à toa, nem a cerimônia acontece pela primeira vez. A festa surgiu como resposta ao Projeto de Lei 580/2007 que tramita da Câmara dos Deputados e propõe a proibição do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Em 2018, no Recife, a chef que realizou um casamento coletivo movida pelo receio de que o último governo, ao assumir o poder no ano seguinte, fizesse mudanças na legislação de uniões homoafetivas.

Casamento coletivo do Altar realizado Recife em 2018
Casamento coletivo do Altar realizado Recife em 2018 Imagem: Anna Isabela Lucena

Coletivo, diverso e ecumênico

Na época, Fafá de Belém cantou na cerimônia que também uniu 13 casais e participará novamente da celebração em São Paulo, cantando "Ave Maria".

As bênçãos serão concedidas pelos babalorixás Pai Everaldo e Dona Carmem, que também é iabassê (responsável pelo preparo dos alimentos sagrados no candomblé).

A festa após a cerimônia acontecerá no próprio restaurante e, para cobrir todas as despesas do evento, uma vaquinha virtual está em vigor para que as pessoas possam apoiar ação.

Continua após a publicidade

As colaborações também poderão ser feitas em forma de doações de itens importantes para a cerimônia como, por exemplo, flores, decoração, trajes para os noivos e noivas, mão de obra, dentre outros artigos que compõem o casamento. A cerimônia pública, gratuita e colaborativa acontece em parceria com a GEMA-UFPE (Núcleo de Pesquisa em Gênero e Masculinidades da Universidade Federal de Pernambuco).

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes