PUBLICIDADE

Topo

Relacionamentos

'Preconceito': modelo com síndrome de Down relata experiência no Tinder

Maju de Araújo, modelo e influenciadora, tem 20 anos - Reprodução/Instagram
Maju de Araújo, modelo e influenciadora, tem 20 anos Imagem: Reprodução/Instagram

Mariana Gonzalez

De Universa, em São Paulo

11/06/2022 14h49

A modelo Maju de Araújo —primeira com síndrome de Down a desfilar na São Paulo Fashion Week, neste ano— diz que um de seus maiores sonhos é se casar e formar uma família. Uma de suas irmãs conheceu o noivo por meio de aplicativos de namoro, então, aos 20 anos, Maju pensou: "Por que não tentar?".

"Nunca cheguei a imaginar que não poderia namorar por ter síndrome de Down, nada disso. Na minha cabeça, eu posso fazer tudo o que uma pessoa sem deficiência faz. Mas essas limitações geralmente são projetadas em mim por outras pessoas, quase sempre sem deficiência", conta, em depoimento a Universa.

Com a ajuda da mãe, Adriana, ela criou um perfil no Tinder. A família se preocupou —"porque existem riscos quando você tenta conhecer alguém pela internet. Eles [a família] têm medo que eu sofra". Mas, segundo Maju, todos apoiaram sua decisão.

Desde então, ela vem trocando mensagens pelo aplicativo, experiência que, de acordo com sua definição, tem sido "bem complexa".

"É divertido, mas é exaustivo"

"Tem sido um processo de aprendizado. É divertido, conheço pessoas legais, mas não vou mentir: às vezes me frustro, principalmente com a falta de apoio da família das pessoas. Isso é importante."

Maju conta que, sempre que começa a conversar com alguém, compartilha informações sobre sua deficiência e que, até agora, não teve problemas.

"Geralmente, o preconceito surge de outras pessoas —não necessariamente daquela com quem queremos namorar, mas dos pais, da família", fala. "É exaustivo ver pessoas nos infantilizando ou nos tirando o direito de nos relacionar só porque temos uma deficiência."

Ser mulher já é desafiador. Ser uma mulher com deficiência é mais ainda.

"Muitas vezes, me enxergam só pela perspectiva da deficiência, como se eu não pudesse ser nada além disso. Mas eu tenho sentimentos, desejos, ambições e muita coisa para compartilhar. Sigo acreditando que vou realizar esse sonho."

Relacionamentos