PUBLICIDADE

Topo

Universa

Após falir duas empresas, ela fatura R$ 22 milhões com franquia de bebidas

Brunna Farizel, sócia-fundadora da Splash Bebidas Urbanas - Nanda Ferreira/Divulgação
Brunna Farizel, sócia-fundadora da Splash Bebidas Urbanas Imagem: Nanda Ferreira/Divulgação

Caroline Marino

Colaboração para Universa

16/08/2021 04h01

A capixaba Brunna Farizel, de 35 anos, sabe bem os reflexos de não contar com um plano de negócios. Após falir duas empresas que abriu com Lucas, seu marido, e com uma dívida de R$ 13 mil na mala, ela usou o que aprendeu nessa fase para estruturar um novo empreendimento, a Splash Bebidas Urbanas, uma rede de franquias de cafeteria. Hoje, a empresa fatura R$ 22 milhões.

"Entrei no mundo do empreendedorismo logo após a faculdade, mas fui na cara e na coragem, sem saber de fato o que era ser uma empresária", conta Brunna a Universa. Segundo ela, isso se refletiu em muitos erros, como alugar um espaço logo no início, sem ao menos entender como funciona o capital de giro. Não sobrava dinheiro para pagar as despesas da empresa.

Por muitas vezes, me senti impotente. Mas não deixei esses sentimentos tomarem conta de mim e persisti.

Ao analisar os cenários e as demandas do mercado, e tendo em mente a importância de um planejamento estruturado — financeiro e pessoal —, o casal decidiu sair do Espírito Santo para morar em São Paulo, já que a capital paulista mostrava mais oportunidades. Brunna lembra que foi um período difícil, pois não havia muito tempo para pensar e estavam vivendo em um local totalmente novo.

"Não tínhamos dinheiro nem para pagar a internet e íamos às lan houses para mandar currículos e tentar encontrar um emprego", diz. A ideia era trabalhar em uma empresa para juntar dinheiro e começar um negócio com mais segurança. "A vulnerabilidade gritou e, por muitas vezes, me senti impotente. Mas não deixei esses sentimentos tomarem conta de mim e persisti", diz.

Brunna e Lucas, fundadores da Splash Bebidas Urbanas, com as filhas - Divulgação - Divulgação
Brunna e Lucas, fundadores da Splash Bebidas Urbanas, com as filhas
Imagem: Divulgação

Em busca de um propósito
Nos dois primeiros meses em São Paulo, Brunna conseguiu um emprego em uma loja conceituada de móveis, onde ficou por nove anos. "Não era exatamente o que eu planejava, mas encarei como o primeiro passo para transformar minha vida financeira", afirma.

Nos últimos três anos de trabalho, já desmotivada com a rotina exaustiva, sem horário para sair e com pouco poder de voz na empresa, decidiu que era hora de repensar a carreira e tirar da gaveta o sonho antigo de ter um negócio próprio. "Na época também fiquei grávida e queria trabalhar com algo que me permitisse ter mais tempo e qualidade de vida", lembra.

Claro que o medo bateu e abrir mão de ótimos salários também foi difícil, mas apenas o dinheiro já não fazia mais sentido para nós.

Como o marido estava envolvido com o mundo das franquias, eles viram ali uma oportunidade, já que queriam ter um negócio que fosse replicável. Com um investimento de R$ 300 mil, procedente de capital próprio e empréstimo, eles montaram a primeira unidade da Splash Bebidas Urbanas, em 2018. "Claro que o medo bateu e abrir mão de ótimos salários também foi difícil, mas apenas o dinheiro já não fazia mais sentido para nós", diz. Eles queriam juntar um propósito no qual acreditavam com um negócio rentável.

Mais segurança e qualidade de vida
Assim, bem diferente dos primeiros empreendimentos, em que o casal pulou de paraquedas, Brunna e Lucas planejaram tudo e estudaram a fundo o mercado, com uma dose extra de jogo de cintura e atrelando seus valores pessoais e o que vislumbravam para suas vidas à nova empresa. Optaram pelo segmento de alimentação, que costuma ser resistente a crises, e desenharam um negócio pautado na praticidade e na qualidade de vida -- para eles e os futuros franqueados.

Compartilhar nossa história foi o grande diferencial para o crescimento.

"Nossa ideia foi criar uma empresa sem depender da sazonalidade, para que o lucro permeasse o ano todo, que garantisse qualidade de tempo e sem a necessidade de um profissional especializado no ramo para tocar a gestão", explica.

Na visão de Brunna, esse modelo é parte do sucesso do negócio. Isso porque as pessoas buscam hoje mais equilíbrio entre vida pessoal e profissional, liberdade de agenda e uma gestão com valores bem definidos. "A operação permite que o franqueado seja dono da sua agenda. E isso atrai muitas pessoas. Temos uma franqueada com três filhos, por exemplo, que queria voltar ao mercado de trabalho, mas sem perder o tempo com as crianças", diz. Situação muito parecida com a de Brunna e Lucas que, hoje, têm duas filhas, uma de três anos e oito meses, e uma de um e oito meses. "Compartilhar nossa história foi o grande diferencial para o crescimento".

Atualmente, a Splash possui 60 unidades, em cidades do Sul, Sudeste e no Distrito Federal. A meta é alcançar 100 contratos até dezembro e, em 2021, expandir para outras regiões, como Norte e Nordeste, e chegar a 300 unidades.

Universa