PUBLICIDADE

Topo

Egípcias são condenadas a dois anos de prisão por vídeos de dança no TikTok

Aplicativo TikTok - Pixabay
Aplicativo TikTok Imagem: Pixabay

De Universa, em São Paulo

28/07/2020 09h52

Um tribunal egípcio condenou várias jovens a dois anos de prisão ontem por postar vídeos de dança "indecentes" no TikTok, caso que é considerado por críticos uma repressão à liberdade de expressão na sociedade conservadora. As informações são da agência Associated Press.

As mulheres também foram multadas, cada uma, em 300 mil libras egípcias (quase US$ 19 mil ou R$ 98 mil) por "violar os valores e princípios da família egípcia", incitar deboche e promover o tráfico de pessoas, de acordo com um comunicado da promotoria pública.

Seus advogados informaram que vão recorrer da decisão.

A declaração da acusação nomeou apenas duas das acusadas — as estudantes Haneen Hossam, 20, e Mawada Eladhm, 22 — e disse que outras três mulheres ajudaram a administrar suas contas nas redes sociais.

As duas estudantes citadas conseguiram fama no TikTok, com milhões de seguidores, com seus vídeos gravados com trilhas sonoras de clubes pop egípcios. Em seus clipes de 15 segundos, elas usam maquiagem, posam em carros, dançam em cozinhas e brincam com esquetes — um conteúdo familiar e aparentemente suave para a plataforma.

No Egito, cidadãos podem ser presos por crimes vagos, como "mau uso das mídias sociais", "disseminação de notícias falsas" ou "incitação à devassidão e imoralidade".

A promotoria considerou as fotos e os vídeos de Eladhm "vergonhosos e ofensivos".

No tribunal, Eladhm estava chorando. "Dois anos? Trezentas mil libras egípcias? Isso é realmente algo muito difícil de ouvir ", disse Samar Shabana, assistente do advogado da jovem.

"Elas só querem seguidores. Elas não fazem parte de nenhuma rede de prostituição e não sabiam que era assim que sua mensagem seria percebida pelos promotores", acrescentou Shabana, referindo-se às postagens que incentivam as jovens a compartilhar vídeos e conversar com estranhos em troca de dinheiro em outra rede social.

Uma petição online amplamente divulgada descreveu as prisões como uma "repressão sistemática que visa mulheres de baixa renda" e exige que as autoridades libertem nove jovens detidas nos últimos meses por postarem vídeos do TikTok. A sentença de segunda-feira foi a primeira.

Direitos da mulher