PUBLICIDADE

Topo

Ezra Miller sobre luta LGBTQ+: 'Não é por igualdade, é por supremacia'

Ezra Miller na GQ - Divulgação
Ezra Miller na GQ Imagem: Divulgação

De Universa, em São Paulo

12/03/2020 11h06

Ezra Miller, que em 2018 revelou se definir como não-binário, deu entrevista à revista GQ, em que fala da luta da causa LGBTQ+ contra o preconceito, e afirmou que, mais que igualidade, o objetivo é conseguir a supremacia de quem se vê representado neste grupo.

Não-binárias são pessoas cuja identidade de gênero não é nem inteiramente masculina nem inteiramente feminina. No caso de Ezra, que canta, atua e desfila, a informação sugeriu mais profundamente em uma entrevista ao The Hollywood Reporter - desde 2012 Ezra falava abertamente sobre se considerar, até então, bissexual.

"Não estamos por igualdade. Nada destes conflitos contra sistemas de opressão são lutar por igualdade. São lutas por um apurado senso de supremacia. Somos melhores sexualmente que todos vocês. Somos melhores na arte. Isso é carregado por velhos ensinamentos dos chamados do que você quiser: não-binários, queers, trans, gays, lésbicas...", afirmou.

Ezra - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Ezra lembrou que há uma palavra havaiana que indica "aquele que está se tornando" e que os nativos de lá acreditam que todos tem um espírito masculino e um feminino.

"Assim como as pessoas neurodiversas. São pessoas sagradas, superiores a outros seres", defendeu ele.

Ezra ainda disse que sente estar "na clandestinidade". "As pessoas não me endentem. Há uma grande confusão sobre isso, mas fico confortável de falar sobre este assunto. Estou aqui para fazer o que puder para todos para quem eu puder fazer", afirmou.

Diversidade