PUBLICIDADE

Topo

Transforma

Mulheres protagonizam um mundo em evolução


Ação busca mulheres para escrever cartas a jovens em privação de liberdade

photoguns/Getty Images/iStockphoto
Imagem: photoguns/Getty Images/iStockphoto

Nathália Geraldo

De Universa

27/02/2020 04h00

Até sexta-feira (28), o projeto "Eu escrevo cartas de amor" recruta voluntárias para participar da edição em referência ao Dia Internacional da Mulher. O trabalho é de conexão entre, em média, 40 adolescentes que estão em duas unidades do sistema socioeducativo do Rio de Janeiro — sendo uma de regime fechado, na Ilha do Governador, e outra de semi-liberdade em Nilópolis, na Baixada Fluminense — com mulheres que queiram partilhar suas histórias com as meninas.

"Nesta edição, queremos mobilizar mulheres das mais diferentes origens e trajetórias de vida para realizar a escrita e a entrega das cartas", explica uma das gestoras da ação, Liz Guimarães. As mensagens, enviadas a meninas de 12 e 18 anos, têm cunho inspirador, e servem para compartilhar amor, fortalecimento e autoestima com as destinatárias.

"Nossa rede de escrita tem aumentado significativamente. Temos, aproximadamente, 70 voluntárias dedicando um pouco do seu tempo para partilhar cotidianos, histórias de vida, a cada edição", explica Liz.

Promover o afeto

Projeto leva afeto a meninas que cumprem medidas socioeducativas - CSA Images/Getty Images/Vetta
Projeto leva afeto a meninas que cumprem medidas socioeducativas
Imagem: CSA Images/Getty Images/Vetta

A vida de meninas com restrição ou privação de liberdade, por vezes, se torna invisibilizada. Por isso, o "Eu escrevo cartas de amor" leva as cartas como inspiração para o que elas podem fazer e sonhar após cumprirem as medidas socioeducativas. E também leva afeto. " É um movimento inter-religioso, em que se acredita que a partilha do bem, do amor e dos valores que promovem a vida está acima de tradições religiosas ou opções de espiritualidade", explica Liz.

Entrega das cartas

Para a entrega das cartas na unidade, são convidadas pelo menos 15 mulheres que as escreveram. A equipe ainda faz uma roda de conversa e um lanche coletivo com as adolescentes.

A voluntária faz uma apresentação breve, falando de si, de sua trajetória pessoal e profissional e ainda são feitos jogos e dinâmicas em grupos.

Inscrições

Para essa edição, as inscrições vão até sexta-feira (28) pelo e-mail euescrevocartasdeamor2@gmail.com.

Como escrever a cartinha

Abaixo, um exemplo de mensagem que foi escrita para uma adolescente:

"Quero te chamar de "Flor" porque você deve ser muito bonita. Mas não é qualquer flor quero que sejas " a sempre viva" é uma espécie de flor que nunca morre. Mesmo depois de ser colhida ela permanece viva. Ela é uma flor de beleza simples, mas o que encanta nela é sua resistência e sua escolha pela vida, sempre. Por isso o nome dela é "sempre viva"'.

Ao pensar em você te penso com essa flor, que é bonita, bem simples, forte e muito difícil de ser encontrada. Essa flor vive na Chapada Diamantina na Bahia. Ela não é fácil de encontrar e de cultivar por isso está sendo protegida para que nunca acabe a sua espécie. Quando penso nessa flor sempre dou uma risadinha.

Porque eu aprendo com ela a ser simples, bonita e bem forte.

Florzinha "sempre Viva", vou te chamar assim, o motivo dessa cartinha é para te desejar um feliz dia da Mulher. Nos mulheres somos como as "sempre vivas" fortes, belas e resistentes por isso comemoramos essa dia 08 de março. E, você sendo essa menina linda merece toda força, felicidade e beleza.

Te desejo tudo o que existe de mais bonito e saboroso porque eu sei que você merece. Te desejo força para lutar e resistir e muitos motivos para ser feliz!

Felicidades!

Aline".

Transforma