Topo

Transforma

Mulheres protagonizam um mundo em evolução


Aniston e Witherspoon rejeitam rótulo de "mulheres fortes": "Todas somos"

Jennifer Aniston e Reese Witherspoon em evento em Nova York - Getty Images
Jennifer Aniston e Reese Witherspoon em evento em Nova York Imagem: Getty Images

De Universa, em São Paulo

08/11/2019 08h58

Jennifer Aniston e Reese Witherspoon, juntas novamente na série The Morning Show, explicaram à Glamour UK porque rejeitam o rótulo de "mulheres fortes" para suas personagens na produção da Apple TV+.

"É interessante que seja esse, sempre, o primeiro pensamento das pessoas. Sabe, como se não fosse a norma mulheres serem fortes e poderosas. Todas nós somos seres humanos poderosos!", exclamou Aniston.

Na trama, ela interpreta Alex Levy, anfitriã de um popular programa matutino norte-americano. Quando o seu colega de bancada, Mitch Kessler (Steve Carell) é demitido por acusações de assédio, a ousada jornalista Bradley Jackson (Witherspoon) surge como possível substituta.

Novo papel

As duas atrizes são produtoras executivas no projeto, função na qual Witherspoon está se firmando após o sucesso de Big Little Lies. A norte-americana falou à Glamour sobre a dificuldade de ser levada a sério no seu novo papel.

"Recentemente, eu tive que conquistar investidores para a minha nova empresa [a produtora Hello Sunshine], e foi um lado completamente diferente do trabalho que eu já conhecia. As pessoas simplesmente não estão nem aí", comentou.

"Elas olhavam para o sucesso que eu tive como atriz e diziam: 'Bom, isso não quer dizer que você vai ter sucesso como produtora'. Enfrentar essas reuniões e pedir para as pessoas acreditarem em mim mais uma vez foi difícil", disse ainda.

"Por outro lado, se você não se expõe, você está limitando as suas experiências. O seu ego não pode ser maior do que sua força de vontade. Foi algo que me fez voltar às minhas raízes, recuperar minha humildade", definiu.

Para Aniston, ser produtora significa "encontrar a sua voz". "Eu percebi que precisava encontrar o meu próprio material, porque os roteiros que circulam por aí para mulheres não são as histórias que eu quero contar", disse.

"Foi uma jornada longa. Até recentemente, as pessoas reagiam a uma atriz sendo produtora assim: 'Ah, que fofo, você está produzindo também!'", contou ainda,

#MeToo

Com a história do personagem de Steve Carell, The Morning Show aborda o movimento #MeToo, com as denúncias de assédio e abuso sexual que se espalharam pela indústria do entretenimento e outros ramos nos últimos anos.

"Eu preciso dizer que sou muito grata às mulheres que tiveram a coragem de falar sobre isso, expor o quão negativos eram os ambientes de trabalho em que elas estavam. Em muitos casos, elas não tinham nada a ganhar [fazendo as denúncias]", comentou Witherspoon.

"Eu acho que cultura mudou, desde então, porque as pessoas que foram abusadas e violentadas se uniram para falar sobre isso. Estas revelações mudaram a história, na minha opinião", completou.

Aniston disse que se sentiu "triste" quando começou a ouvir as acusações. "Eu estava tentando acompanhar tudo. O que está acontecendo? Quem é dessa vez? Foi muito barulhento e agressivo", definiu.

"Os homens estavam sendo hostilizados e desprezados. Não importa qual homem. Qualquer homem que tivesse sido acusado", completou. "A nossa série queria abordar isso: Como lidamos? O que fazemos agora? Qual é a correção aqui?".

Transforma